Assistência de enfermeiros na síndrome hipertensiva gestacional em hospital de baixo risco obstétrico

Gleica Sodré de Oliveira, Gilvânia Patrícia do Nascimento Paixão, Chalana Duarte de Sena Fraga, Maria Katiana Ricarte dos Santos, Magna Santos Andrade

Resumen


Introdução: A gestação é um processo caracterizado por intensas transformações fisiológicas, que por vezes resultam em complicações. Dentre as mais frequentes, a síndrome hipertensiva gestacional é a primeira causa de mortalidade materna no Brasil. O presente estudo tem por objetivo analisar a assistência de enfermeiros às gestantes com síndrome hipertensiva, em um hospital de baixo risco obstétrico. Materiais e Métodos: Pesquisa de campo, descritiva, exploratória, com abordagem qualitativa, onde foi realizada entrevista com nove enfermeiros de uma maternidade municipal no interior da Bahia, Brasil. Os resultados obtidos foram organizados através da técnica de análise de conteúdo proposto por Bardin. Resultados: Foram consolidados em três categorias, a saber: abordagem do enfermeiro às mulheres com síndrome hipertensiva gravídica; fatores que dificultam uma adequada assistência; atuação essencial do enfermeiro para preservação da vida do binômio mãe-filho. Discussão: Constatou-se que a atuação do enfermeiro é essencial na preservação e manutenção da vida diante da síndrome hipertensiva gestacional, contudo, perceberam-se fatores que interferem na qualidade dessa assistência, como a falta da avaliação fetal, de um pré-natal de qualidade, da humanização, e a deficiência de conhecimentos relacionados ao manuseio de equipamentos, e até da própria doença. Conclusões: O estudo possibilitou analisar que a assistência de enfermeiros às gestantes com síndrome hipertensiva é essencial na preservação e manutenção da vida da mulher e do feto/neonato, pois este profissional possui diferencial, como autonomia e senso crítico, além do conhecimento técnico-científico, que quando somados a uma equipe multiprofissional torna o trabalho dinâmico e resolutivo.

Cómo citar este artículo: Oliveira GS, Paixão GP, Fraga CDS, Santos MKR, Andrade MS. Assistência de enfermeiros na síndrome hipertensiva gestacional em hospital de baixo risco obstétrico. Rev Cuid. 2017; 8(2): 1561-72. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i2.374


Palabras clave


Cuidados de Enfermagem; Gravidez; Pré-Eclâmpsia.

Referencias


Lopes G, Oliveira M, Silva K, Silva I, Ribeiro AP. Hipertensão gestacional e a síndrome hellp: ênfase nos cuidados de enfermagem. Rev Augustus. 2013; 18(36): 77-89.

Aguiar LRS, Silva MGP, Feitosa WF, Cunha K. Análise de estudos sobre as condutas de enfermagem no cuidado a gestante com doença hipertensiva. Revista Interdisciplinar. 2014; 7(1): 204-15.

Medeiros AL, Santos SR, Cabral R, Silva JPG, Nascimento N. Avaliando diagnósticos e intervenções de enfermagem no trabalho de parto e na gestação de risco. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2016; 37(3): 21-9. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.03.55316

Ministério da Saúde, Brasil. Protocolos da Atenção Básica: Saúde das Mulheres / Ministério da Saúde, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa – Brasília: Ministério da Saúde. 2016.

Montenegro CAB, Pereira MN, Rezende Júnior J. Toxemia Gravídica. In: Rezende MF. Obstetrícia Fundamental. 2016. Guanabara Koogan. 13ª ed. p. 315-56.

Peraçoli JC, Parpinelli MA. Síndromes hipertensivas da gestação: identificação de casos graves. Rev Bras Ginecol Obstet. 2005; 27(10): 627-34. https://doi.org/10.1590/S0100-72032005001000010

Cerqueira GSG, Barboso IR, Silva W, Novo N, Almeida F, Novo JL. Evolução materna e fetal de gestações acompanhadas de síndromes hipertensivas em um hospital público terciário. Rev Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. 2014; 16(7).

Bezerra EH, Júnior CA, Feitosa RF, Carvalho AA. Mortalidade materna por hipertensão: índice e análise de suas características em uma maternidade-escola. Rev Bras Ginecol Obstet. 2015; 27(9): 548-53. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032005000900008

Mozzato AR, Grzybovski D. Análise de Conteúdo como Técnica de Análise de Dados Qualitativos no Campo da Administração: Potencial e Desafios. Rev Adm Contemp. 2011; 15 (4):731-47. https://doi.org/10.1590/s1415-65552011000400010

Silva CR, Gobbi BC, Simão AA. O uso da análise de conteúdo como uma ferramenta para a pesquisa qualitativa: descrição e aplicação do método. Organizações Rurais & Agroindustriais. 2005; 7(1): 70-81.

Lisboa MTL, Vieira MM. Exame físico e histórico de saúde. In: Potter PA, Perry AG. Fundamentos de Enfermagem. 2009. Elsevier. 6ª ed. p: 715-861.

Rabelo LR, Oliveira DL. Percepção de enfermeiras obstétricas sobre sua competência na atenção ao parto normal hospitalar. Rev Esc de Enferm da USP. 2010; 44(1): 213-20. https://doi.org/10.1590/S0080-62342010000100030

Lima EN, Pasquini VZ. Assistência humanizada ao parto: reflexões sobre a atuação da enfermagem obstétrica. Rev Enferm UNISA. 2006; 7: 5-8.

Carraro TE, Knobel R, Radunz V, Meincke SMK, Fiewski MFC, Frello AT, et al. Cuidado e conforto durante o trabalho de parto e parto: na busca pela opinião das mulheres. Texto Contexto Enferm. 2006; 15(Esp): 97-104.

Marque FC, Dias IMV, Azevedo L. A percepção da equipe de enfermagem sobre humanização do parto e nascimento. Esc Anna Nery R Enferm. 2006; 10(3):439-47. https://doi.org/10.1590/S1414-81452006000300012

Silva VYNE, Gutierrez MM, Fernandes HH, Soares LR, Jacob TA, Kashiwabara TGB. Sulfatação na eclampsia - revisão de literatura. Revista UNINGÁ Review. 2013; 16(1):55-8.

Arenas-Sánchez A, Pinzón-Amado A. Riesgo biológico en el personal de enfermería: una revisión práctica. Rev Cuid. 2011; 2(1): 216-24. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v2i1.60

Nunes DC, Silva LAM. Humanização na assistência de Enfermagem durante gestação, parto e puerpério e seus desafios na promoção de saúde. Revista Mineira de Ciências da Saúde. 2012; (4):57-68.

Correa ML. La humanización de la atención en los servicios de salud: un asunto de cuidado. Rev Cuid. 2016; 7(1):1227-31. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v7i1.300

Gomes AMT, Oliveira DC. A auto e heteroimagem profissional do enfermeiro em saúde pública: um estudo de representações sociais. Rev Latino-am Enfermagem. 2005;13(6):1011-8. https://doi.org/10.1590/S0104-11692005000600014

Nogueira JWS, Rodrigues MCS. Comunicação efetiva no trabalho em equipe em saúde: um desafio para a segurança do paciente. Rev Cogitare Enfermagem. 2015;20(3):636 -640. https://doi.org/10.5380/ce.v20i3.40016

Moreno C, Rincón T, Arenas YM, Sierra D, Cano ÁP, Cárdenas DL. La mujer en posparto: un fenómeno de interés e intervención para la disciplina de enfermería. Rev Cuid. 2014; 5(2): 739-47. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v5i2.86




DOI: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i2.374

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2017 Revista CUIDARTE

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.