Imagen de portada

Percepção de estudantes da graduação em enfermagem sobre a simulação realística

Raphael Raniere de Oliveira Costa, Soraya Maria de Medeiros, José Carlos Amado Martins, Marcelly Santos Cossi, Marília Souto de Araújo

Resumen


Introdução: A simulação realística vem sendo utilizada nos contextos formativos em saúde e enfermagem. Nessa perspectiva, o estudo tem por objetivo identificar a percepção de estudantes da graduação em Enfermagem sobre a simulação realística enquanto estratégia de ensino e aprendizagem. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo descritivo com abordagem quanti-qualitativa, do tipo pesquisa-ação. A pesquisa foi realizada com 37 estudantes da graduação em Enfermagem de uma universidade pública brasileira, no período de fevereiro a maio de 2014. Resultados: No cenário estudado, a simulação é percebida como uma técnica que permite uma vivência prévia da prática, permitindo aos estudantes refletir sobre os seus futuros contextos de trabalho. Além disso, permite relacionar a teoria e a prática, ajudando na aprendizagem dos conteúdos. Por ser uma estratégia dinâmica e ativa, a simulação promove integração e o desejo de expansão e outras vivências a partir de cenários simulados em outras disciplinas da graduação em Enfermagem. Discussão: Este estudo possibilitou, ao final, uma reflexão sobre a prática formativa em saúde a partir de uma perspectiva autônoma, considerando esta necessidade no contexto de ensino contemporâneo enquanto necessidade real, reafirmada pela multiplicidade e complexidade dos fenômenos emergentes desta época. Conclusões: A simulação apresenta-se como uma possibilidade viável e potencialmente significativa no contexto do ensino de graduação em Enfermagem.

Como citar este artigo: Costa RRO, Medeiros SM, Martins JCA, Cossi MS, Araújo MS.  Percepção de estudantes da graduação em enfermagem sobre a simulação realística. Rev Cuid. 2017; 8(3): 1799-808. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.425


Palabras clave


Estudantes de Enfermagem; Simulação de Paciente; Simulação.

Referencias


Martins JCA, Mazzo A, Baptista RCN, Coutinho VR, Godoy S, Mendes IAC. et al. The simulated clinical experience in nursing education: a historical review. Acta Paul Enferm. 2012; 25(4): 619-25. https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000400022

Sanino GEC. O uso da simulação em enfermagem no Curso Técnico de Enfermagem. J Health Inform. 2012; 4 (Número Especial - SIIENF 2012): 148-51.

Costa RRO, Medeiros SM, Martins JCA, Menezes RMP, Araújo MS. O uso da simulação no contexto da educação e formação em saúde e enfermagem: uma reflexão acadêmica. Revista de Saúde Pública do Paraná. 2015; 16(1): 59-65. http://dx.doi.org/10.22421/1517-7130.2015 v16n1p59

Martins JCA, Baptista RCN, Coutinho VR, Mazzo A, Rodrigues MA, Mendes IAC. Self-confidence for emergency intervention: adaptation and cultural validation of the Self-confidence Scale in nursing students. Rev Latino-Am Enfermagem. 2014; 22(4): 554-61. https://doi.org/10.1590/0104-1169.3128.2451

Bland AJ, Topping A, Wood B. A concept analysis of simulation as a learning strategy in the education of undergraduate nursing students. Nurse Educ Today. 2011; 31(7): 664-70. https://doi.org/10.1016/j.nedt.2010.10.013

Costa RRO. A simulação realística como estratégia de ensino-aprendizagem em enfermagem. [Dissertação]. Natal: Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2014.

Thiollent M. Metodologia da pesquisa-ação. 18 ed. São Paulo: Cortez; 2011.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated Criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care. 2007; 19(6): 349-57. https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

Ministério da Saúde (BR). Resolução Nº 466 do Conselho Nacional de Saúde. [Internet]. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. [Acesso em 10 fev 2015]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Pazin FA, Scarpelini S. Simulação: definição. Rev Medicina. 2007; 40(2): 162-66. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v40i2p162-166

Reed SJ. Written debriefing: Evaluating the impact of the addition of a written component when debriefing simulations. Nurse Educat Pract. 2015; 15(6): 543-8. http://dx.doi.org/10.1016/j.nep r.2015.07.011

Coutinho V, Martins JCA, Pereira F. Structured debriefing in Nursing simulation: students’ perceptions. Nurse Pract Educ. 2016; 6(9): 127-34. https://doi.org/10.5430/jnep.v6n9p127

Arthur C, Levett-Jones T, Kable A. Quality indicators for the design and implementation of simulation experiences: A Delphi study. Nurse Educ Today. 2013; 33(11): 1357-61. http://dx.doi.org/10.1016/j.nedt.2012.07.012

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O discurso do sujeito coletivo. 2nd ed. Caxias do Sul: EDUCS. 2003.

Lefevre F, Lefevre AMC. Pesquisa de Representação Social. Brasília: Liberlivro; 2010.

Mendes MGS, Martins CA, Oliveira C, Silva MJ, Vilaça S. Contributos da aprendizagem baseada em problemas no desempenho de estudantes de enfermagem em ensino clínico. Rev de Formación e Innovación Educativa Universitaria. 2011; 5(4): 227-40.

Berragan L. Simulation: An effective pedagogical approach for nursing. Nurse Educ Today. 2011; 31(7): 660-3. http://dx.doi.org/10.1016/j.nedt.2011.01.019

Teixeira INDO, Felix JVC. Simulação como estratégia de ensino em enfermagem: revisão de literatura. Interface (Botucatu). 2011; 15(39): 1173-83. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832011005000032

Baptista RCN, Martins JCA, Pereira MFCR, Mazzo A. Simulação de Alta-Fidelidade no Curso de Enfermagem: ganhos percebidos pelos estudantes. Rev Enf Ref. 2014; IV(1): 135-44.

Niño CA, Vargas NG, Barragán JA. Fortalecimiento de la simulación clínica como herramienta pedagógica en enfermería: experiencia de internado. Rev Cuid. 2015; 6(1): 970-5. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v6i1.161

Almeida DM, Vaz DR, Prado C. Aprendizagem significativa no contexto da enfermagem. In: Prado C. Práticas pedagógica em enfermagem: processo de reconstrução permanente. 1 ed. São Caetano, do Sul: Fusão. 2013. p. 87-101.

Kelly SH. Evaluation methods used in simulation: a survey of faculty and student perceptions in an undergraduate nursing Programa [Tese]. Pittsburgh (PA): School of Education the University of Pittsburgh. 2014. p.120.

Botma Y. Nursing student’s perceptions on how immersive simulation promotes theory-practice integration. IJANS. 2014; 1: 1-5. https://doi.org/10.1016/j.ijans.2014.04.001

Anastaciou LGC, Alves LP. Processos de Ensinagem na Universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 5th ed. Joinvile (SC): Univille. 2009.

Baptista RCN, Martins JCA, Pereira MFCR, Mazzo A. Students' satisfaction with simulated clinical experiences: validation of an assessment scale. Rev Latino-Am Enfermagem. 2014; 22(5): 709-15. https://doi.org/10.1590/0104-1169.3295.2471




DOI: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.425

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM