Imagen de portada

Percepção de estudantes da graduação em enfermagem sobre a simulação realística

Raphael Raniere de Oliveira Costa, Soraya Maria de Medeiros, José Carlos Amado Martins, Marcelly Santos Cossi, Marília Souto de Araújo

Resumen


Introdução: A simulação realística vem sendo utilizada nos contextos formativos em saúde e enfermagem. Nessa perspectiva, o estudo tem por objetivo identificar a percepção de estudantes da graduação em Enfermagem sobre a simulação realística enquanto estratégia de ensino e aprendizagem. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo descritivo com abordagem quanti-qualitativa, do tipo pesquisa-ação. A pesquisa foi realizada com 37 estudantes da graduação em Enfermagem de uma universidade pública brasileira, no período de fevereiro a maio de 2014. Resultados: No cenário estudado, a simulação é percebida como uma técnica que permite uma vivência prévia da prática, permitindo aos estudantes refletir sobre os seus futuros contextos de trabalho. Além disso, permite relacionar a teoria e a prática, ajudando na aprendizagem dos conteúdos. Por ser uma estratégia dinâmica e ativa, a simulação promove integração e o desejo de expansão e outras vivências a partir de cenários simulados em outras disciplinas da graduação em Enfermagem. Discussão: Este estudo possibilitou, ao final, uma reflexão sobre a prática formativa em saúde a partir de uma perspectiva autônoma, considerando esta necessidade no contexto de ensino contemporâneo enquanto necessidade real, reafirmada pela multiplicidade e complexidade dos fenômenos emergentes desta época. Conclusões: A simulação apresenta-se como uma possibilidade viável e potencialmente significativa no contexto do ensino de graduação em Enfermagem.

Como citar este artigo: Costa RRO, Medeiros SM, Martins JCA, Cossi MS, Araújo MS.  Percepção de estudantes da graduação em enfermagem sobre a simulação realística. Rev Cuid. 2017; 8(3): 1799-808. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.425


Palabras clave


Estudantes de Enfermagem; Simulação de Paciente; Simulação.

Referencias


Martins JCA, Mazzo A, Baptista RCN, Coutinho VR, Godoy S, Mendes IAC. et al. The simulated clinical experience in nursing education: a historical review. Acta Paul Enferm. 2012; 25(4): 619-25. https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000400022

Sanino GEC. O uso da simulação em enfermagem no Curso Técnico de Enfermagem. J Health Inform. 2012; 4 (Número Especial - SIIENF 2012): 148-51.

Costa RRO, Medeiros SM, Martins JCA, Menezes RMP, Araújo MS. O uso da simulação no contexto da educação e formação em saúde e enfermagem: uma reflexão acadêmica. Revista de Saúde Pública do Paraná. 2015; 16(1): 59-65. http://dx.doi.org/10.22421/1517-7130.2015 v16n1p59

Martins JCA, Baptista RCN, Coutinho VR, Mazzo A, Rodrigues MA, Mendes IAC. Self-confidence for emergency intervention: adaptation and cultural validation of the Self-confidence Scale in nursing students. Rev Latino-Am Enfermagem. 2014; 22(4): 554-61. https://doi.org/10.1590/0104-1169.3128.2451

Bland AJ, Topping A, Wood B. A concept analysis of simulation as a learning strategy in the education of undergraduate nursing students. Nurse Educ Today. 2011; 31(7): 664-70. https://doi.org/10.1016/j.nedt.2010.10.013

Costa RRO. A simulação realística como estratégia de ensino-aprendizagem em enfermagem. [Dissertação]. Natal: Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2014.

Thiollent M. Metodologia da pesquisa-ação. 18 ed. São Paulo: Cortez; 2011.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated Criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care. 2007; 19(6): 349-57. https://doi.org/10.1093/intqhc/mzm042

Ministério da Saúde (BR). Resolução Nº 466 do Conselho Nacional de Saúde. [Internet]. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. [Acesso em 10 fev 2015]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Pazin FA, Scarpelini S. Simulação: definição. Rev Medicina. 2007; 40(2): 162-66. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v40i2p162-166

Reed SJ. Written debriefing: Evaluating the impact of the addition of a written component when debriefing simulations. Nurse Educat Pract. 2015; 15(6): 543-8. http://dx.doi.org/10.1016/j.nep r.2015.07.011

Coutinho V, Martins JCA, Pereira F. Structured debriefing in Nursing simulation: students’ perceptions. Nurse Pract Educ. 2016; 6(9): 127-34. https://doi.org/10.5430/jnep.v6n9p127

Arthur C, Levett-Jones T, Kable A. Quality indicators for the design and implementation of simulation experiences: A Delphi study. Nurse Educ Today. 2013; 33(11): 1357-61. http://dx.doi.org/10.1016/j.nedt.2012.07.012

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O discurso do sujeito coletivo. 2nd ed. Caxias do Sul: EDUCS. 2003.

Lefevre F, Lefevre AMC. Pesquisa de Representação Social. Brasília: Liberlivro; 2010.

Mendes MGS, Martins CA, Oliveira C, Silva MJ, Vilaça S. Contributos da aprendizagem baseada em problemas no desempenho de estudantes de enfermagem em ensino clínico. Rev de Formación e Innovación Educativa Universitaria. 2011; 5(4): 227-40.

Berragan L. Simulation: An effective pedagogical approach for nursing. Nurse Educ Today. 2011; 31(7): 660-3. http://dx.doi.org/10.1016/j.nedt.2011.01.019

Teixeira INDO, Felix JVC. Simulação como estratégia de ensino em enfermagem: revisão de literatura. Interface (Botucatu). 2011; 15(39): 1173-83. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832011005000032

Baptista RCN, Martins JCA, Pereira MFCR, Mazzo A. Simulação de Alta-Fidelidade no Curso de Enfermagem: ganhos percebidos pelos estudantes. Rev Enf Ref. 2014; IV(1): 135-44.

Niño CA, Vargas NG, Barragán JA. Fortalecimiento de la simulación clínica como herramienta pedagógica en enfermería: experiencia de internado. Rev Cuid. 2015; 6(1): 970-5. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v6i1.161

Almeida DM, Vaz DR, Prado C. Aprendizagem significativa no contexto da enfermagem. In: Prado C. Práticas pedagógica em enfermagem: processo de reconstrução permanente. 1 ed. São Caetano, do Sul: Fusão. 2013. p. 87-101.

Kelly SH. Evaluation methods used in simulation: a survey of faculty and student perceptions in an undergraduate nursing Programa [Tese]. Pittsburgh (PA): School of Education the University of Pittsburgh. 2014. p.120.

Botma Y. Nursing student’s perceptions on how immersive simulation promotes theory-practice integration. IJANS. 2014; 1: 1-5. https://doi.org/10.1016/j.ijans.2014.04.001

Anastaciou LGC, Alves LP. Processos de Ensinagem na Universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 5th ed. Joinvile (SC): Univille. 2009.

Baptista RCN, Martins JCA, Pereira MFCR, Mazzo A. Students' satisfaction with simulated clinical experiences: validation of an assessment scale. Rev Latino-Am Enfermagem. 2014; 22(5): 709-15. https://doi.org/10.1590/0104-1169.3295.2471




DOI: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.425

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2017 Revista CUIDARTE

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.