Imagen de portada

Práticas de si de cuidadores familiares na atenção domiciliar

Bruna Ferreira Ribeiro, Stefanie Griebeler Oliveira, Fernanda Sant'Ana Tristão, José Ricardo Guimarães dos Santos-Júnior, Taís Alves Farias

Resumen


Introdução: Atualmente há expansão de serviços de atenção domiciliar, sendo necessário que algum familiar seja o cuidador. Deste modo, é relevante compreender as práticas de si dos cuidadores familiares no contexto da atenção domiciliar. Materiais e Métodos: Pesquisa qualitativa, inserida na vertente pós-estruturalista. Participaram da pesquisa 18 cuidadores familiares de pacientes com doenças crônicas ou terminais vinculados ao serviço de atenção domiciliar de um hospital do sul do Brasil. A produção de informações ocorreu por meio de entrevista narrativa, realizada entre julho de 2015 e março de 2016. Os participantes foram entrevistados em três encontros, com periodicidade semanal. A análise se constituiu de questões elaboradas diante das informações produzidas articuladas com as teorizações foucaultianas, sobre cuidado de si, relações de poder e discurso. Resultados e Discussão: Duas categorias foram elaboradas: Constituição do sujeito cuidador: quais os discursos que o atravessam? e práticas de si como caminho de ressignificação ao cuidado. As práticas de si foram configuradas como modo de acesso a verdade, se caracterizando como fio condutor do cuidado de si, levando os cuidadores, nas suas mais diversas formas de ser, a se subjetivarem e se reconstituírem, através de si e do outro. Conclusões: Ser cuidador familiar é circundado por diversos discursos que atravessam seu modo de cuidar e que as práticas de si foram configuradas como modo de acesso a verdade.

Como citar este artigo: Ribeiro BF, Oliveira SG, Tristão FSA, Santos-Júnior JRG, Farias TA. Práticas de si de cuidadores familiares na atenção domiciliar. Rev Cuid. 2017; 8(3): 1809-25. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.429


Palabras clave


Acontecimentos que Mudam a Vida; Cuidadores; Serviços de Assistência Domiciliar; Enfermagem.

Referencias


Ministério da Saúde, Brasil. Portaria nº 825, de 25 de abril de 2016. Redefine a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. Diário Oficial da União 25 abr 2016; Seção 1. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt0825_25_04_2016.html

Oliveira SG, Kruse MHL. Melhor em Casa: dispositivo de segurança. Texto Contexto Enferm. 2017; 26(1): 1-9. https://doi.org/10.1590/0104-07072017002660015

Neto AVO, Dias MB. Atenção Domiciliar no Sistema Único de Saúde (SUS): o que representou o Programa Melhor em Casa? Divulg Saude Debate. 2014; (51): 58-71.

Oliveira SG, Quintana AM, Denardin-Budó ML, Kruse MHL, Garcia R, Wünsch S, et al. Representações sociais do cuidado de doentes terminais no domicílio: o olhar do cuidador familiar. Aquichan. 2016; 16(3): 359-69. https://doi.org/10.5294/aqui.2016.16.3.7

Dadah DF, Carvalho AMP. Papéis ocupacionais, benefícios, ônus e modos de enfrentamento de problemas: um estudo descritivo sobre cuidadoras de idosos dependentes no contexto da família. Cad Ter Ocup UFS Car. 2014; 22(3): 463-72. https://doi.org/10.4322/cto.2014.067

Almico T, Faro A. Enfrentamento de cuidadores de crianças com câncer em processo de quimioterapia. Psic Saude Doenças. 2014; 15(3): 723-37. https://doi.org/10.15309/14psd150313

Pinto FNFR, Barham EJ. Habilidades sociais e estratégias de enfrentamento de estresse: relação com indicadores de bem-estar psicológico em cuidadores de idosos de alta dependência. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014; 17(3): 525-39. https://doi.org/10.1590/1809-9823.2014.13043

Hernández NE, Moreno CM, Barragán JA. Necesidades de cuidado de la díada cuidador-persona: expectativa de cambio en intervenciones de enfermería. Rev Cuid. 2014; 5(2): 748-56. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v5i2.87

Foucault M. O sujeito e o poder in: Foucault M. Ditos e escritos, volume IX: genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2014. p.118-140.

Candiotto C. Subjetividade e verdade no último Foucault. Trans/Form/Ação. 2008; 31(1): 87-103. https://doi.org/10.1590/S0101-31732008000100005

Muchail ST, Fonseca MA. “Editar” Foucault. In: Muchail ST, editora. Foucault, mestre do cuidado: textos sobre A Hermenêutica do Sujeito. São Paulo: Loyola. 2011. p. 9-21.

Foucault M. O cuidado com a verdade. In: Motta MB, editor. Ditos & Escritos V: Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2010. p. 240-51.

Meyer DE, Paraíso MA. Metodologias de pesquisas pós-críticas ou sobre como fazemos nossas investigações. In: Meyer DE, Paraíso MA, editoras. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições. 2012. p.15-22.

Oliveira SG, Machado CRS, Osielski TPO, Oliveira ADL, Fripp JC, Arrieira ICO, et al. Estratégias de abordagem ao cuidador familiar: promovendo o cuidado de si. Ext Foco. 2017; 1(13):135-48. https://doi.org/10.5380/ef.v1i13.51685

Turato ER. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. 3ª ed. Petropólis: Vozes. 2008.

Ministério da Saúde, Brasil. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União 12 dez 2012; Seção I. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Muylaert CJ, Sarubbi-Júnior V, Gallo PR, Neto MLR, Rei AOA. Entrevistas narrativas: um importante recurso em pesquisa qualitativa. Rev Esc Enferm USP. 2014; 48(2): 184-9. https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000800027

Jovchelovich S, Bauer MW. Entrevista Narrativa. In: Bauer MW, Gaskell G, editoras. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes. 2002. p. 90-113.

Paraíso MA. Metodologia de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In: Meyer DE, Paraíso MA, editoras. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições. 2012. p. 23-45.

Foucault M. A arqueologia do saber. 8ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2013.

Oliveira SG, Quintana AM, Denardin-Budó ML, Kruse MHL, Garcia RP, Simon BS. O enfrentamento da terminalidade pelos cuidadores familiares durante a internação domiciliar. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2013; 14(3): 460-9. http://dx.doi.org/10.15253/rev%20rene.v14i3.3413

Foucault M. A Hermenêutica do Sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes. 2010.

Foucault M. Técnicas de si. In: Motta MB, editor. Ditos & Escritos IX: Genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2014. p. 264-96.

Puerto HM. Soporte social percibido en cuidadores familiares de personas en tratamiento contra el cáncer. Rev Cuid. 2017; 8(1): 1407-22. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v8i1.345

Oliveira SG, Quintana AM, Denardin-Budó ML, Kruse MHL, Beuter M. Internação domiciliar e internação hospitalar: semelhanças e diferenças no olhar do cuidador familiar. Texto Contexto Enferm. 2012; 21(13): 591-9. https://doi.org/10.1590/S0104-07072012000300014




DOI: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.429

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM