Imagen de portada

Impacto na autoestima de mulheres em situação de violência doméstica atendidas em Campina Grande, Brasil

Renata Cavalcante Santos Guimarães, Maria Cidney da Silva Soares, Renata Clemente dos Santos, Jaquelline Pereira Moura, Therezza Virgínia Vital Freire, Maria Djair Dias

Resumen


Introdução: A problemática da violência contra mulher está disseminada em toda sociedade. O objetivo do estudo foi investigar qual o impacto na autoestima de mulheres vítimas de violência. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo de natureza qualitativa. A amostra foi selecionada por conveniência não probabilística e composta por 11 mulheres atendidas da delegacia da mulher do município de Campina Grande, Brasil. Utilizando a técnica de análise de conteúdo elencou-se as categorias: Impacto na saúde da mulher; Impacto na autoimagem e perda da identidade feminina e Submissão e perda da liberdade. Resultados: As idades variaram entre 20 e 68 anos, o número de filhos entre 1 a 13, o tempo de convívio com a violência variou entre 2 e 25 anos. Identificou-se que a violência trouxe sofrimento e impactos na vida da mulher como perda de sua identidade, desestruturação na autoimagem, sentimento de impotência e redução da autoestima.  Discussão e Conclusões: A carga de sofrimento as atingem de forma integral, podendo levá-las a quadros depressivos. Muitas procuram ajuda nos profissionais de saúde que devem estar capacitados para realizar um atendimento integral, apoiando-a no seu empoderamento e então lhe auxiliando na quebra do ciclo da violência. Percebe-se a necessidade de profissionais habilitados para prestar assistência a mulher vítima de violência doméstica, buscando minimizar seus impactos. 

Como citar este artigo: Guimarães RCS, Soares MCS, Santos RC, Moura JP, Freire TVV, Dias MD. Impacto na autoestima de mulheres em situação de violência doméstica atendidas em Campina Grande, Brasil. Rev Cuid. 2018; 9(1): 1988-77. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i1.438


Palabras clave


Violência Contra a Mulher; Autoimagem; Avaliação do Impacto na Saúde.

Referencias


Hesler LZ, Costa MCC, Resta DC, Colomé ICS. Violence against women in the perspective of community health agents. Rev. Gaúcha Enferm., 2013; 34(1):180-6. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472013000100023

Dourado SM, Noronha CV. The marked face: the multiple implications of female victimization in loving relationships. Physis. 2014; 24 (2): 623-43. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312014000200016

Fonseca DH, Ribeiro CG, Leal NSB. Violência doméstica contra a mulher: realidades e representações sociais. Psicologia & Sociedade. 2012 Ago; (2):307-14.

Rivadeneira MF. Violencia física contra la mujer: una propuesta de abordaje desde un servicio de salud. Rev Cuid. 2017; 8(2): 1656-67. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i2.404

Bardin L. Análise de Conteúdo. 70ª ed. Lisboa: Edições; 2009.

Acosta DF, Gomes CLO, Fonseca AD, Gomes GC. Violence against women commited by intimate partners: (in)visibility of the problem. Texto contexto enferm. 2015; 24 (1): 121-7. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015001770013

Acosta DF, Gomes VLO, Barlem ELD. Perfil das ocorrências policiais de violência contra a mulher. Acta Paul Enferm. 2013; 26(6): 547-53. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002013000600007

Moura MAV, Albuquerque Netto L, Souza MHN. Perfil Sociodemográfico de mulheres em situação de violência assistidas nas delegacias especializadas. Esc. Anna Nery. 2012; 16(3):435-42. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452012000300002

Heise L, Kotsadam A. Cross-national and multilevel correlates of partner violence: an analysis of data from population-based surveys. Lancet Glob Health. 2015; 3: 332–40. http://dx.doi.org/10.1016/S2214-109X(15)00013-3

Carneiro AA, Fraga CK. A Lei Maria da Penha e a proteção legal à mulher vítima em São Borja no Rio Grande do Sul: da violência denunciada à violência silenciada. Serv. Soc. Soc. 2012; (110): 369-97. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-66282012000200008

Paixão GPN, Santos NJS, Matos LS, Santos CKF, Nascimento DE, Bittencourt IS, et al. Violência escolar: percepções de adolescentes. Rev Cuid. 2014; 5(2): 717-22. http://dx.doi.org/10315649/cuidarte.v5i2.83

Albuquerque Netto L, Moura MAP, Queiroz ABA, Tyrrell MAR, Bravo MMP. Violência contra a mulher e suas consequências. Acta paul. enferm. 2014; 27(5): 458-64. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201400075

Gomes NP, Garcia TCS, Conceição CR, Sampaio PO, Almeida VC, Paixão GPN. Violência conjugal: elementos que favorecem o reconhecimento do agravo. Saúde debate. 2012; 36 (95): 514-22. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042012000400003

Ribeiro PRL, Tavares MCF. As contribuições de Seymour Fisher para os estudos em imagem corporal. Motricidade. 2011; 7 (4): 83-95.

Gonzalez GC, Bejarano RC. La violencia de género: evolución, impacto y claves para suabordaje. Enferm. glob. 2014; 13(33): 424-39.

Silva EB, Padoin SMM, Vianna LAC. Violence against women and care practice in the perception of the health professionals. Texto Contexto - enferm. 2015; 24 (1): 229-37. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015003350013

Soares MC, Santos RC, Moura JP, Freire TVV, Silva HTA, Dias MD. Violence Against Women and its Representations: an Integrative Review. International Archives of Medicine. 2016; 9 (213): 1-9. http://dx.doi.org/10.3823/2084


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2018 Revista CUIDARTE

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.