Imagen de portada

Prevalência do diabetes mellitus associado ao estresse ocupacional em trabalhadores bancários, Minas Gerais, Brasil

Larissa Munhon Geremias, Lidyane Franco Evangelista, Raquel Cristina da Silva, Daniel Sena Furtado, Cristiane Aparecida Silveira-Monteiro, Cristiane Fonseca Freitas

Resumen


Introdução: Estresse ocupacional é considerado fator de risco para o diabetes mellitus. Bancários são submetidos constantemente ao estresse, podendo alterar os níveis glicêmicos e lipêmicos. Objetivo: analisar as alterações nos níveis de glicemia e associa-las ao estresse ocupacional em bancários. Materiais e Métodos: Trata-se de pesquisa descritiva e analítica. Avaliou-se glicemia de jejum capilar, aferição da medida da pressão arterial, peso, altura, circunferência abdominal, cálculo do Índice de Massa Corpórea, aplicação de questionários de perfil diabético e de teste de Inventário de Sintomas de Stress de Lipp, para as análises das fases de estresse. Resultados: Foram16 voluntários, 12 homens, com idade média de 34,92 ± 3,14 anos e 4 mulheres, 30,25 ± 2,63 anos. Entre os homens, 91,60% apresentaram glicemia de jejum alterada (115,71±2,01mg/dl), 41,60% com sobrepeso (28,04±0,26kg/m2) e 16,88% com obesidade (32,35±0,65kg/m2). 58,33% dos homens estavam com estresse, sendo que 85,71% desses homens estavam na fase de resistência e 14,28% na fase de exaustão. Nas mulheres, 75% apresentaram glicemia de jejum alterada (126,44±5,49mg/dl), 25% tinham sobrepeso (26,93±0,13kg/m2) e 25% obesidade (32,30 kg/m²). Na avaliação do estresse foram encontrados 75% das mulheres com estresse, estando todas na fase de resistência. Discussão: São necessárias intervenções no ambiente de trabalho que propicia um processo de adoecimento. Conclusões: Bancários que se encontravam em alguma fase de estresse, apresentavam níveis glicêmicos alterados, sinalizando uma possível ação do cortisol em sua rotina diária.

Como citar este artigo: Geremias LM, Evangelista LF, Silva RC, Furtado DS, Silveira-Monteiro CA, Freitas CF. Prevalência do diabetes mellitus associado ao estresse ocupacional em trabalhadores bancários, Minas Gerais, Brasil. Rev Cuid. 2017; 8(3): 1863-74. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.442


Palabras clave


Esgotamento Profissional; Qualidade de Vida; Diabetes Mellitus; Saúde do Trabalhador.

Referencias


Souza MBC, Silva HPA, Galvão-Coelho NLG. Resposta ao estresse: I. Homestase e teoria da alostase. Estudos de Psicologia (Natal). 2015; 20(1): 2-11. https://doi.org/10.5935/1678-4669.20150002

International Stress Management Association. Relatório. Porto Alegre: ISMA. 2014.

International Labour Organization. A collective challenge: world day for safety and health at work. Genebra: ILO. 2016.

Ministério do Trabalho, Brasil. 1º Boletim Quadrimestral sobre Benefícios por Incapacidade de 2017 sobre Adoecimento Mental e Trabalho: a concessão de benefícios por incapacidade relacionados a transtornos mentais e comportamentais entre 2012 e 2016. Brasília: Ministério do Trabalho. 2017.

Maffia LN, Pereira LZ. Estresse no trabalho: estudo com gestores públicos do estado de Minas Gerais. Rev Elet Adm. 2014; 79(3): 658-80. https://doi.org/10.1590/1413-2311.0052014.47163

Yamaguti STF, Mendonça ARB, Coelho D, Machado Al, Talarico JNS. Padrão atípico de secreção de cortisol em profissionais de Enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(spe): 109-16. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000700016

Ramiro FS, Lombardi Júnior I, Silva RCB, Montesano FT, Oliveira NRC, Diniz REAS, et al. Investigação do estresse, ansiedade e depressão em mulheres com fibromialgia: um estudo comparativo. Rev Bras Reumatol. 2014; 54(1): 27-32. https://doi.org/10.1016/j.rbr.2013.04.006

Ferreira MC, Milfont TL, Silva APC, Fernandes HA, Almeida SP, Mendonça H, et al. Escala para avaliação de Estressores Psicossociais no contexto laboral: construção e evidências de validade. Psicologia: Reflexão e Crítica. 2015; 28(2): 340-9. https://doi.org/10.1590/1678-7153.201528214

Silva DP, Silva MNRMO. O trabalhador com estresse e intervenções para o cuidado em saúde. Trabalho, Educação e Saúde. 2015; 13(supl.1): 201-14. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00032.

Worm FA, Pinto MAO, Schiavenato D, Ascari RA, Trindade LL, Silva OM. Risco de adoecimento dos profissionais de enfermagem no trabalho e atendimento móvel de urgência. Rev Cuid. 2016; 7(2): 1288-96. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v7i2.329

Silva JL, Navarro VL. Organização do trabalho e saúde de trabalhadores bancários. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2012; 20(2): 226-34. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692012000200003

Cruz IS, Rosa G, Valle V, Mello DB, Fortes M, Dantas EHM. Efeitos agudos do treinamento concorrente sobre os níveis séricos de leptina e cortisol em adultos jovens sobrepesados. Rev Bras Med Esporte. 2012; 18(2): 81-6. https://doi.org/10.1590/S1517-86922012000200003

Vinholes DB, Bittencourt A. Estimativa do risco para diabetes mellitus tipo 2 em bancários da cidade de tubarão, estado de Santa Catarina, Brasil. Scientia Medica. 2013; 23(2): 82–9.

Menezes TN, Sousa NDS, Moreira AS, Pedraza DF. Diabetes mellitus referido e fatores associados em idosos residentes em Campina Grande, Paraíba. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014; 17(4): 829-39. https://doi.org/10.1590/1809-9823.2014.13164

Medeiros CCM, Bessa GG, Coura AS, França I, Sousa FS. Prevalência dos fatores de risco para diabetes mellitus de servidores públicos. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2012; 14(3): 559-69. https://doi.org/10.5216/ree.v14i3.14430

Trujillo J. Critérios diagnósticos y efectividad de intervenciones para el manejo de diabetes gestacional. Rev Cuid. 2016; 7(2): 1251-4. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v7i2.344

Mazzini MCR, Blumer MG, Hoehne EL, Guimarães KRLSLQ, Caramelli B, Fornari L, et al. Rastreamento do risco de desenvolvimento de diabetes mellitus em pais de estudantes de uma escola privada na cidade de Jundiaí, São Paulo. Rev Assoc Med Bras. 2013; 59(2): 136-42. https://doi.org/10.1016/j.ramb.2012.09.002

Correa K, Gouvêa GR, Silva MAV, Possobon R, Barbosa LFLN, Pereira AC, et al. Qualidade de vida e características dos pacientes diabéticos. Ciência & Saúde Coletiva. 2017; 22(3): 921-30. https://doi.org/10.1590/1413-81232017223.24452015

Araujo LO, Silva ES, Mariano JO, Moreira RC, Prezotto KH, Fernandes CAM, et al. Risco para desenvolvimento do diabetes mellitus em usuários da atenção primária a saúde: um estudo transversal. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(4): 77-83. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.04.50195

Petarli GB, Salaroli LB, Bissoli NS, Zandonade E. Autoavaliação do estado de saúde e fatores associados: um estudo em trabalhadores bancários. Cad Saúde Públic. 2015; 31(4): 787-99. https://doi.org/10.1590/0102-311X00083114

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. 3.ed. Itapevi. Diretrizes Brasileiras de Obesidade. 2016.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Ac Farmacéutica. Diretrizes Brasileiras de Diabetes. 2016.

Ministério da Saúde, Brasil. Secretaria de Atenção a Saúde, Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a População Brasileira. 2016.

Dias FM, Santos JFC, Abelha L, Lovisi GM. O estresse ocupacional e a síndrome do esgotamento profissional (burnout) em trabalhadores da indústria de petróleo: uma revisão sistemática. Rev Bras Saúde Ocup. 2016; 41: e11. https://doi.org/10.1590/2317-6369000106715

Arteaga NA, Cogollo JR, Muñoz MD, Noriega, AA, Jiménez, RC, Monterroza, DM. Apoyo social y control metabólico en la diabetes mellitus tipo 2. Rev Cuid. 2017; 8(2): 1668-76. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v8i2.405

Guzmán, IMG, Toledano, CC, Benítez, AI. Análisis comparativo del programa de educación en diabetes mellitus de México y Cuba. Rev Cuid. 2013; 4(1): 516-22. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v4i1.12




DOI: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.442

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM