Imagen de portada

Intervenção educacional sobre enteroparasitoses: um estudo quase experimental

Gabriela Rodrigues Bragagnollo, Pâmela Caroline Gil de Toledo Godoy, Tâmyssa Simões dos Santos, Vanessa dos Santos Ribeiro, Juceli Andrade Paiva Morero, Beatriz Rossetti Ferreira

Resumen


Introdução: As enteroparasitoses vêm ocasionando sérios problemas de saúde pública no mundo, sobretudo nos países em desenvolvimento. Mesmo com a população em geral relatando que tem conhecimento sobre as parasitoses intestinais, estudos apontam que não sabem identificar as verminoses. Objetivo: Elaborar, implementar e avaliar um programa educativo sobre parasitoses intestinais em uma escola pública de Ribeirão Preto – SP. Materiais e Métodos: Estudo quase experimental, não randomizado realizado com 56 alunos do 1º a 4º ano do ensino fundamental. Para avaliar o conhecimento dos alunos antes e após intervenção educativa, foi aplicado um questionário semiestruturado (Pré e Pós - teste). Resultados: Houve mudanças nas respostas dos alunos em relação hábitos de higiene, especialmente nas questões sobre como os vermes se alimentam (p=0,008); o que não fazer para não se contaminar com vermes (p=0,05); qual o formato dos vermes quando é ingerido (p=0,001); quais órgãos os vermes atravessam (p=0,001). Assim, ficou evidente que este tipo de atividade educativa foi eficiente para auxiliar na aprendizagem de alunos do ensino fundamental. Discussão: Após a atividade educativa sem notou um crescimento nos acertos para a maioria das questões, contudo ainda houve dificuldades de compreensão sobre os sintomas, o ciclo e quais organismos são vermes. Conclusões: Espera-se que este trabalho incentive profissionais da saúde e da educação a incluir práticas educativas sobre saúde no contexto escolar.

Como citar este artigo: Bragagnollo GR, Godoy PCGT, Santos TS, Ribeiro VS, Morero JAP, Ferreira BR. Intervenção educacional sobre enteroparasitoses: um estudo quase experimental. Rev Cuid. 2018; 9(1): 2030-44. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i1.486

 


Palabras clave


Educação em Saúde; Promoção da Saúde; Saúde Escolar; Ascaris Lumbricoides.

Referencias


Antunes AS, Libardoni KSB. Prevalência de enteroparasitoses em crianças de creches do município de Santo Ângelo, RS. Rev Contexto & Saúde. 2017; 17(32): 7- 10. http://dx.doi.org/10.21527/2176-7114.2017.32.144-156

Navone GT, Zonta ML, Cociancic P, Garraza M, Gamboa MI, Giambelluca LA, et al. Estudio transversal de las parasitosis intestinales en poblaciones infantiles de Argentina. Rev. Panam Salud Publica. 2017; 41(24): 2-8.

Barbosa FC, Ribeiro MCM, Marçal JR. Comparação da prevalência de parasitoses intestinais em escolares da zona rural de Uberlândia (MG). Revista de Patologia Tropical. 2005; 34(2): 151-4.

Barra M, Bustos L, Ossa X. Desigualdad en la prevalencia de parasitosis intestinal en escolares de una escuela urbana y dos rurales de la comuna de Puerto Montt. Rev. Méd. Chile. 2016; 144(7): 886-93. http://dx.doi.org/10.4067/S0034-98872016000700009

Cimerman B, Cimerman S. Importância da Parasitologia. In: Cimerman B, CimermanS. Parasitologia Humana e seus fundamentos gerais. 2ª ed., São Paulo: Atheneu. 2001. p. 3-4.

Rodríguez AY, Camacho JM, Baracaldo CM. Estado nutricional, parasitismo intestinal y sus factores de riesgo en una población vulnerable del municipio de Iza (Boyacá), Colombia año 2013. Rev. Chil. Nutr. 2016; 43(1): 45-53. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-75182016000100007

Camila PC, Silva MC. Fatores de risco das endoparasitoses de escolares públicos da Bahia. Rev.Saúde.Com. 2014; 10(3): 245-53.

Ministério da Saúde, Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Brasília: Ministério da Saúde. 2016.

Ministério da Saúde, Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de vigilância em Doenças Transmissíveis. Plano integrado de ações estratégicas de eliminação da hanseníase, filariose, esquistossomose e oncocercose como problema de saúde pública, tracoma como causa de cegueira e controle das geohelmintíases: Plano de ação. 2011.

Silva AVM, Massara CL. Parasitologia Humana. 11ª ed. São Paulo: Atheneu. 2005; p. 253-9.

Uchôa CMA, Lobo AGB, Bastos OMO, Matos AD. Parasitoses Intestinais: prevalência em creches comunitárias da cidade de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Rev. Inst. Adolfo Lutz. 2001; 60(2): 97-101.

Ribeiro DF, Correia BR, Soares AKF, Rocha MKL, Alves ERP, Albuquerque MCPA. Educação em saúde: uma ferramenta para a prevenção e controle de parasitoses. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2013; 11(2): 300-10. http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v11i2.300310

Ministério da Educação, Brasil. Parâmetros curriculares nacionais: Introdução aos parâmetros curriculares nacionais, Brasília: Secretaria da Educação Fundamental. 1998.

Gazzinelli MF, Reis DC, Kloos H, Velásquez-Melendez G, Dutra IR, Gazzinelli A. The impact of two education methods on knowledge of schistosomiasis transmission and prevention among schoolchildren in a rural community in northern Minas Gerais, Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz. 2006; 101(1): 45-53. http://dx.doi.org/10.1590/S0074-02762006000900008

Pedrazzani ES, Mello DA, Pizzigatti CP, Barbosa CAA. Aspectos educacionais da intervenção em helmintoses intestinais, no subdistrito de Santa Eudóxia, Município de São Carlos - SP. Cad. Saúde Pública. 1990; 6(1): 74-85. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1990000100008

Whitehead D. Evaluating health promotion: a model for nursing practice. J Adv Nurs. 2003; 41(5): 480-90. http://doi.org/10.1046/j.1365-2648.2003.02556.x

Brasil. Decreto nº 6.286, de 05 de dezembro de 2007. Institui, no âmbito dos Ministérios da Educação e da Saúde, o Programa Saúde na Escola - PSE. Brasília, DF: Senado Federal. 2007.

Alberto PA, Troutman AC. Single-Subject Designs. 7a ed. Ohio: Merrill Prentice Hal. 2003; p. 167-227.

Mello DA, Pedrazzani ES, Pizzigatti CP. Helmintoses intestinais: I - Conhecimentos, atitudes e percepção da população. Rev. Saúde Pública.1988; 22(2): 9-140.

Moura E C, Bragazza LM, Coelho MFL, Aun SMF. Prevalência de parasitose intestinal em escolares da primeira série de uma escola pública. Jornal de Pediatria. 1997; 73(6): 406-10. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.570

Pereira-Cardoso FD, Araújo BM, Batista HL, Galvão WG. Prevalência de enteroparasitoses em escolares de 06 a 14 anos no município de Araguaína – Tocantins. Revista Eletrônica de Farmácia. 2010; 7(1): 54-64. https://doi.org/10.5216/ref.v7i1.9595

Prado MS, Barreto ML, Strina A, Faria JAS, Nobre AA, Jesus SR. Prevalência e intensidade da infecção por parasitas intestinais em crianças na idade escolar na Cidade de Salvador (Bahia, Brasil). Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2001; 34(1):99-101. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822001000100016

Rios ERG, Franchi KMB, Silva RM, Amorim RF, Costa NC. Senso comum, ciência e filosofia: elo dos saberes necessários à promoção da saúde. Ciênc. Saúde Coletiva. 2007; 12(2): 501-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232007000200026

Ausubel DP, Novakj D, Hanesian H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana. 1980; p. 626.

Conselho Nacional de Saúde, Brasil. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: 2012.

Ausubel DP. Aquisição e retenção de conhecimentos: Uma perspectiva cognitiva, Lisboa: Editora Plátano. 2003; p.21.

Gomes SCS, Rodrigues SR, Silva AB, Arruda AKS, Silva NM, Macedo RS, et al. Educação em saúde como instrumento de prevenção das parasitoses intestinais no município de Grajaú – MA. Pesquisa em Foco. 2016; 21(1): 34-45.

Costa TDC, Andrade DFRA, Barros VC, Freitas DRJ. Análise de enteroparasitoses em crianças em idade pré-escolar em município de Santa Catarina, Brasil. Rev. Pre. Infec e Saúde. 2015; 1(2): 1-9.

Camello JT, Cavagnolli NI, Spada PKWDS, Poeta J, Rodrigues AD. Prevalência de parasitoses intestinais e condições de saneamento básico das moradias em escolares da zona urbana de Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. Sci Med. 2016; 26(1):1-6. http://dx.doi.org/10.15448/1980-6108.2016.1.21716

Rodrigues PCO, Ignotti E, Hacon SS. Características socioeconômicas, demográficas e de saúde de escolares residentes em duas comunidades da Amazônia meridional brasileira. Revista Ciência e Estudos Acadêmicos de Medicina. 2016; 6(1):10-23.

Mafra P, Carvalho GSC, Lima N. Os microrganismos nos programas e manuais escolares do 1.º e 2.º Ciclo do Ensino Básico português. 2016; 10(2): 52-59. http://dx.doi.org/10.21707/gs.v10.n02a06

Andrade EC, Leite ICG, Rodrigues VO, Cesca MG. Parasitoses intestinais: uma revisão sobre seus aspectos sociais, epidemiológicos, clínicos e terapêuticos. Rev. APS. 2010; 13(2): 231-40.

Matos ES, Franco PA, Damy ASA. A educação integral. Pesquisa e Ação. 2016; 2(1): 56-7.

Lucero-Garzón T, Álvarez-Motta LA, Chicue-López JF, López-Zapata D, Mendoza-Bergaño CA. Parasitosis intestinal y factores de riesgo en niños de los asentamientos subnormales, Florencia-Caquetá, Colômbia. Rev. Fac. Nac. Salud Pública. 2015; 33(2): 171-80. http://doi.org/10.17533/udea.rfnsp.v33n2a04

Silva SR, Heller L, Valadares JC, Cairncross S. O cuidado domiciliar com a água de consumo humano e suas implicações na saúde: percepções de moradores em Vitória (ES). Eng. Sanit. Ambient. 2009; 14(4): 521-32. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-41522009000400012

Piantino CB, Vanin AC, Vieira M, Souza DHI. Propostas de ações educativas no ambiente escolar como prática depromoção da saúde. Ciência et Praxis . 2016; 17(9): 49-52.

Freitas ADG, Leite PRN. Linguagem fílmica: uma metáfora de comunicação para a análise dos discursos nas organizações. Revista de Administração. 2015; 50(1): 89-104. https://doi.org/10.5700/rausp1186

Duque ILL, Vieira VF, Damásio JMA, Mottin VD. Pesquisa de ovos de helmintos e oocitos de protozoários em alfaces (Lactuca sativa) comercializadas em feiras livres e supermercados. Veterinária em Foco. 2014; 11(2): 521-32.

Braz AS, Andrade CA, Ferreira M, Licia MH, Lima CMBL. Recomendações da Sociedade Brasileira de Reumatologia sobre diagnóstico e tratamento das parasitoses intestinais em pacientes com doenças reumáticas autoimunes. Rev. Bras. Reumatol. 2015; 55(4): 368-80. http://dx.doi.org/10.1016/j.rbr.2014.10.010

Nastasi JA. Prevalencia de parasitosis intestinales en unidades educativas de Ciudad Bolívar, Venezuela. Rev Cuid. 2015; 6(2):1077-84. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v6i2.181

Moreira PS. Ensino-aprendizagem e educação para a saúde: Um enfoque nas parasitoses. João Pessoa. [Monografia] Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza. 2014.

Villamizar B, Vargas C, Rueda E. Madres descubriendo el amor incondicional en el proceso adaptativo de hospitalización de su bebe prematuro. Rev Cuid. 2014; 5(2): 782-91. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v5i2.93

Assis MHC, Ferro MGD. O significado da interação família-escola no desenvolvimento escolar do aluno: um estudo com professores-estudantes do curso de Pedagogia Parfor. Revista do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica. 2015; 3(1): 96-102.

Correa ML. La humanización de la atención en los servicios de salud: un asunto de cuidado. Rev Cuid. 2016; 7(1):1227-31. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v7i1.300

Brauer AMNW, Silva JCS, Souza MAA. Distribuição de enteroparasitos em verduras do comércio alimentício do município de São Mateus, Espírito Santo, Brasil. Natureza Online. 2016; 14 (1): 055-60.

Layber A, Dias MLGG, Falavigna DLM, Araújo SM. Atitudes dos profissionais da área de saúde do município de Tapejara-PR frente às parasitoses intestinais. Biosaúde. 2008; 2(10):117-28.


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2018 Revista CUIDARTE

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.