Imagen de portada

Arte da pintura do ventre materno e vinculação pré-natal

Júnia Aparecida Laia da Mata, Antonieta Keiko Kakuda Shimo

Resumen


Introdução: A Arte da Pintura do Ventre Materno é uma técnica aplicada no abdome da gestante na qual são representados, objetivamente, o bebê imaginário e outros elementos da gestação. Objetivou-se, nesta pesquisa, compreender o significado da vivência da Arte da Pintura do Ventre Materno para gestantes. Materiais e Métodos: Estudo exploratório, do tipo antes e depois, qualitativo, desenvolvido em Curitiba, Paraná, Brasil. O grupo estudado incluiu 10 gestantes, com idade gestacional de 24 semanas ou mais. A produção dos dados envolveu: Arte da Pintura do Ventre Materno, fotografia, diário de campo e entrevistas, analisadas com base na análise temática de conteúdo, proposta por Laurence Bardin. Resultados: Emergiram duas categorias: 1) A Arte da Pintura do Ventre Materno promove experiências do núcleo subjetivo da vinculação ou de amor; 2) Comportamentos maternos positivos gerados pela Arte da Pintura do Ventre Materno. Discussão: A interpretação dos dados, fundamentada na teoria de John Condon, possibilitou elaborar um modelo hierárquico da experiência subjetiva da vinculação ou de amor da gestante com o bebê, mediada pela Arte da Pintura do Ventre Materno. Esta técnica artística, associada a uma abordagem humanista, revela-se como uma boa opção de cuidado a ser implementada na atenção à saúde materna. Conclusões: O significado atribuído pelas gestantes à vivência da Arte da Pintura do Ventre Materno indica que a técnica promoveu a experiência do núcleo subjetivo da vinculação ou de amor com o bebê, elucidando o seu potencial na promoção da vinculação pré-natal.

Como citar este artigo: Mata JAL, Shimo AKK. Arte da pintura do ventre materno e vinculação pré-natal. Rev Cuid. 2018; 9(2): 2145-64. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.499


Palabras clave


Arte; Pintura; Comportamento; Amor; Enfermagem.

Referencias


Mata JAL. Vivência da Arte da Pintura do Ventre Materno por Profissionais e Gestantes: Histórias, Emoções e Significados [Tese]. Campinas (SP): Faculdade de Enfermagem, Universidade Estadual de Campinas; 2017.

Mata JAL, Shimo AKK. A representação social da Arte da Pintura do Ventre Materno para gestantes. Revista Pesquisa Qualitativa. 2017; 5(8): 250-68.

Stern DN, Bruschweiller-Stern N. The birth of a mother. 1nd. Estados Unidos da América: Perseus Books; 1999.

Condon JT. The assessment of antenatal emotional attachment: development of a questionnaire instrument. British Journal of Medical Psychology. 1993; 66(2):167-83. https://doi.org/10.1111/j.2044-8341.1993.tb01739.x

Lumley JM. Attitudes to the fetus among primigravidae. Australian Pediatric Journal. 1982; 18 (2): 106-9. https://doi.org/10.1111/j.1440-1754.1982.tb02000.x

Cranley MS. Development of a tool for the measurement of maternal attachment during pregnancy. Nursing Research. 1981; 30(5): 281-4. https://doi.org/10.1097/00006199-198109000-00008

Muller ME, Ferketich S. Factor analysis of the maternal fetal attachment scale. Nursing Research. 1993; 42(3): 144-7.

Salisbury A, Law K, LaGasse L, Lester B. Maternal-fetal attachment. Journal of American Medical Association. 2003; 289(13):1701. http://dx.doi.org/10.1001/jama.289.13.1701

Camarneiro APF. Vinculação pré-natal e organização psicológica do homem e da mulher durante a gravidez: relação com o tipo de parto e com a patologia obstétrica dos II e III trimestres de gestação [Tese]. Lisboa (PT): Faculdade de Psicologia, Universidade de Lisboa; 2011.

Priel B, Besser A. Vulnerability to postpartum depressive symptomatology: Dependency, self-criticism and the moderating role of antenatal attachment. Journal of Social & Clinical Psychology. 1999; 18: 240-53. http://dx.doi.org/10.1521/jscp.1999.18.2.240

Bretherton I. Attachment theory: retrospect and prospect. In: Bretherton I, Waters E. (Eds.). Growing Points of Attachment Theory and Research. Monographs of the Society for Research in Child Development. 1985: 3-35. https://doi.org/10.2307/3333824

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 7. ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. Saúde Pública. 2008; 24(1): 17-27. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.

Lindgren K. Relationships among maternal-fetal attachment, prenatal depression, and health practices in pregnancy. Research in Nursing and Health. 2001; 24(3): 203-17. https://doi.org/10.1002/nur.1023

Honjo S, Arai S, Kaneko H, Ujiie T, Murase S, Sechiyama H, et al. Antenatal depression and maternal-fetal attachment. Psychopathology. 2003; 36(6): 304-11. http://dx.doi.org/10.1159/000075189

Brandon AR, Trivedi MH, Hynan LS, Miltenberger PD, Labat DB, Rifkin JB, et al. Prenatal depression in women hospitalized for obstetric risk. Journal of Clinical Psychiatry. 2008; 69(4): 635-43. https://doi.org/10.4088/JCP.v69n0417

Yarcheski A, Norreen E, Mahon TJ, Yarcheski MM, Hanks BL, Cannela A. A Meta-analytic study of preditors of maternal-fetal attachment. International Journal of Nursing Studies. 2009; 46(5): 708-15. http://dx.doi.org/10.1016/j.ijnurstu.2008.10.013

Cannella BL. Maternal-fetal attachment: an integrative review. Journal of Advanced Nursing. 2005; 50(1): 60-8. https://doi.org/10.1111/j.1365-2648.2004.03349.x

Righetti PL, Dell‘Avanzo M, Grigio M, Nicolini U. Maternal/paternal antenatal attachment and forth-dimensional ultrasound technique: a preliminar report. British Journal of Psychology. 2005; 96(1):129-37. https://doi.org/10.1348/000712604X15518

Vedova AMD, Dabrassi F, Imbasciati A. Assessing prenatal attachment in a sample of Italian women. Journal of Reproductive and Infant Psychology. 2008; 26(2): 86-98. https://doi.org/10.1080/02646830701805349

Raphael-Leff J. Psychological Processes of Childbearing. 4nd. Great Britain: The Anna Freud Centre; 2009.

Colman L, Colman A. Gravidez - a experiência psicológica. Lisboa: Colibri; 1994.

Solis-Ponton L. (Org). Ser pai, ser mãe- parentalidade: um desafio para o terceiro milênio. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2004.

Piccinini CA, Gomes AG, Moreira LE, Lopes RS. Expectativas e sentimentos da gestante em relação ao seu bebê. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2004; 20(3): 223-32. https://doi.org/10.1590/S0102-37722004000300003

Brazelton B, Cramer B. As primeiras relações. São Paulo: Martins Fontes; 1992.

Raphael-Leff J. Gravidez: a história interior. Reino Unido: Karnac Books LTDA; 2015.

Moya-Plata D, Guiza-Salazar IJ, Mora-Merchán MA. Ingreso temprano al control prenatal em uma unidade materno infantil. Rev Cuid. 2010; 1(1): 44-52. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v1i1.73

Delassus JM. O génio do feto: vida pré-natal e origem do homem. São Paulo: Instituto Piaget; 2002.

Piccinini CA, Carvalho FT, Ourique LR, Lopes RS. Percepções e sentimentos de gestantes sobre o pré-natal. Psic. Teoria e Pesquisa. 2012; 28(1): 27-33. https://doi.org/10.1590/S0102-37722012000100004

Sedgmen B, McMahon C, Cairns D, Benzie RJ, Woodfield RL. The impact of two-dimensional versus three-dimensional ultrasound exposure on maternal–fetal attachment and maternal health behavior in pregnancy. Ultrasound Obstet Gynecol. 2006; 27(3): 245-51. https://doi.org/10.1002/uog.2703

Rustico MA, Mastromatteo C, Grigio M, Maggioni C, Gregori D, Nicolini U. Two-dimensional vs. two-plus four-dimensional ultrasound in pregnancy and the effect on maternal emotional status: a randomized study. Ultrasound Obstetric and Gynecolgy. 2005; 25(5): 468-72. https://doi.org/10.1002/uog.1894

Newnham JP, Evans SF, Michael CA, Stanley FJ, Landau LI. Effects of frequente ultrasound during pregnancy: a randomised controlled trial. Lancet. 1993; 342: 887-91. https://doi.org/10.1016/0140-6736(93)91944-H

Ekman P. A linguagem das emoções. São Paulo: Lua de Papel; 2011.

George JB. Teorias de enfermagem: os fundamentos à prática profissional. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 2000.


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2018 Revista Cuidarte

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.