Imagen de portada

Capacitação de trabalhadores em suporte básico de vida

Maria João Filomena dos Santos Pinto Monteiro, Maria da Conceição Alves Rainho Soares Pereira, Rui Miguel Barros Cunha Carvalho, Élia Susana Batista Carril, Márcia Filipa Batista Carril, Vitor Manuel Costa Pereira Rodrigues

Resumen


Introdução: A capacitação dos cidadãos no auxílio a vítimas em risco de vida é fundamental em qualquer sociedade. Objetivo: avaliar os conhecimentos sobre Suporte Básico de Vida dos trabalhadores de uma Câmara Municipal do norte de Portugal, antes e após a implementação do programa de intervenção “Capacitar para Salvar” e avaliar as competências demonstradas, após a participação no programa de intervenção. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo do tipo quase-experimental e longitudinal, onde foi utilizado um questionário, constituído por 2 partes (caraterização sociodemográfica e avaliação de conhecimentos) e uma grelha de avaliação de competências. No 1º momento foram avaliados os conhecimentos sobre Suporte Básico de Vida e implementado um programa de intervenção, sendo que no 2º momento, foram avaliados os conhecimentos e competências sobre Suporte Básico de Vida. Resultados: Participaram no estudo 97 trabalhadores. Os resultados mostraram que os trabalhadores possuem conhecimentos e competências insuficientes em Suporte Básico de Vida. Discussão e Conclusões: Verificaram-se diferenças estatisticamente significativas nos conhecimentos e competências em Suporte Básico de Vida. Implicações para a prática: implementação de estratégias que promovam a formação em Suporte Básico de Vida a todos cidadãos, quer ao nível da transmissão de conhecimentos, quer da formação prática.

Como citar este artigo: Monteiro MJFSP, Pereira MCARS, Carvalho RMBC, Carril ÉSB, Carril MFB, Rodrigues VMCP. Capacitação de trabalhadores em suporte básico de vida. Rev Cuid. 2018; 9(2): 2117-26. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.505


Palabras clave


Suporte Básico de Vida; Capacitação; Trabalhadores

Referencias


Santos ME. Educação em cidadania/Educação pela cidadania/Educação para a cidadania. In Gonçalves S, Sousa F (org). Escola e comunidade. Laboratórios de cidadania global. Instituto da Educação: Educa. 2012: 39-54.

Martins G. Dinâmicas de Protecçao Civil. Revista Técnica e Formativa. Escola Nacional de Bombeiros. Lisboa, 2004, nº 32.

Marchi JC, Nazário N. Suporte Básico de Vida. Livro Didático. Revista e atualizada. Palhoça, Unisul Virtual. 2010.

Costa I, Nunes L, Ruivo A, Freitas A, Cerqueira A, Oliveira N. Manual de Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa. Departamento de Enfermagem, Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico de Setúbal. 2012.

Instituto Nacional de Emergência Médica. Suporte Básico de Vida. Instituto Nacional de Emergência Médica. Edição. Lisboa, 2012.

Greif R, Lockey A, Conaghanc P, Lippert A, Vries W, Monsieurs K. European Resuscitation Council Guidelines for Resuscitation 2015. Section 10. Education and implementation of resuscitation. Resuscitation. 2015; (95): 288-301. http://dx.doi.org/10.1016/j.resuscitation.2015.07.032

Instituto Nacional de Emergência Médica. Cadeia de Sobrevivência. Instituto Nacional de Emergência Médica. 2015.

Conselho Português de Ressuscitação. Versão Portuguesa das Recomendações 2010 para a Reanimação do European Resuscitation Council. Conselho Português de Ressuscitação. Porto, 2010.

Tavares A, Pedro N, Urbano J. Ausência de formacão em suporte básico de vida pelo cidadão: um problema de saúde pública? Qual a idade certa para iniciar? Revista Portuguesa de Saúde Pública. 2016; 34(1):101-4. https://doi.org/10.1016/j.rpsp.2015.06.006

Fortin MF, Côté J, Fillion F. Fundamentos e etapas do processo de investigação. Lusodidacta. Loures, 2009.

Gala CR. Competência dos alunos em SBV: Estudo comparativo entre o 9° ano e 12° ano de escolaridade. Dissertação de Mestrado. Instituto Superior Politécnico de Viseu. 2014.

Dixe MA, Gomes JC. Conhecimento da população portuguesa sobre Suporte Básico de Vida e disponibilidade para realizar formação. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. 2015; 49(4): 640-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000400015

Pergola AM, Araujo I. O leigo e o suporte básico de vida. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. 2009; 43(2): 335-42. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342009000200012

Cruz Vermelha Portuguesa. Portugal lidera falta de formação dos condutores em primeiros socorros. Cruz Vermelha Portuguesa, 2013.

Rodrigues VC. Conhecimentos da população do Concelho de Monção sobre Suporte Básico de Vida. Dissertação de Licenciatura. Universidade Fernando Pessoa. Porto, 2009.

Pérez-Ordoñez MC, Morales-Méndez JD. Revisión de los orígenes de la responsabilidad social empresarial en el sector salud en Colombia. Rev Cuid. 2011; 2(2): 206-15. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v2i1.59

Gómez ML, Laguado E. Propuesta de intervención de enfermería de los factores de riesgo que afectan un entorno laboral. Rev Cuid. 2013; 4(1): 557-63. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v4i1.18


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2018 Revista Cuidarte

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.