Imagen de portada

Facilidades e dificuldades na implantação do Programa Saúde na Escola em um município do nordeste do Brasil

Eliabe Rodrigues de Medeiros, Erika Simone Galvão Pinto, Alany Carla de Sousa Paiva, Camila Priscila Abdias do Nascimento, Danielle Gonçalves da Cruz Rebouças, Sandy Yasmine Bezerra e Silva

Resumen


Introdução: A saúde escolar no Brasil é ofertada através do Programa Saúde na Escola. Neste estudo objetivou-se identificar as facilidades e dificuldades na implantação do Programa Saúde na Escola em município do nordeste brasileiro. Materiais e Métodos: Pesquisa descritiva, transversal, quantitativa, realizada com 105 profissionais da Estratégia Saúde da Família que já tinham desenvolvido atividades do programa. A coleta de dados foi realizada por meio de instrumento com perguntas abertas e fechadas. Utilizou-se as questões abertas referentes às facilidades e dificuldades enfrentadas na implantação do Programa Saúde na Escola. Os dados foram analisados por meio da estatística descritiva e apresentados em números absolutos e relativos. Resultados: As facilidades mais frequentes são a articulação intersetorial (38,1%) e a satisfação profissional (24,8%) em executar as atividades do Programa Saúde na Escola. Já as dificuldades foram: escassez de recursos materiais e financeiros (50,5%), ausência de articulação intersetorial (26,7%) e excesso de atividades no processo de trabalho (17,1%). Discussão: Foi observada maior frequência de dificuldades em relação às facilidades e os resultados encontrados assemelham-se e distanciam-se de outros estudos da área. Conclusões: A satisfação dos profissionais e a articulação entre os setores saúde e educação são elementos facilitadores na implantação do Programa Saúde na Escola. No entanto, insuficiência de recursos materiais e financeiros e excesso de atribuições no processo de trabalho são exemplos de fatores que comprometem sua implantação.

Como citar este artigo: Medeiros ER, Pinto ESG, Paiva ACS, Nascimento CPA, Rebouças DGC, Silva SYB. Facilidades e dificuldades na implantação do Programa Saúde na Escola em um município do nordeste do Brasil. Rev Cuid. 2018; 9(2): 2127-34. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.514


Palabras clave


Saúde; Educação; Serviços de Saúde Escolar; Atenção Primária à Saúde; Promoção da Saúde.

Referencias


Turunen H, Sormunen M, Jourdan D, Seelen JV, Buijs G. Health Promoting Schools – a complex approach and a major means to health improvement. Health Promot Int. 2017; 32(2):177-84. https://doi.org/10.1093/heapro/dax001

Fontenele RM, Sousa AI, Rache AS, Souza MHN, Medeiros DC. Participative construction and validation of the logical model of the School Health Program. Saúde Debate. 2017;41(n.esp):167-79. https://doi.org/10.1590/0103-11042017s13

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar: 2015. Rio de Janeiro (RJ): IBGE; 2016 [cited 2017 Dez 4]. Available from: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv97870.pdf

Teixeira MB, Casanova A, Oliveira CCM, Ensgtrom EM, Bodstein RCA. Avaliação das práticas de promoção da saúde: um olhar das equipes participantes do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica. Saúde Debate. 2014; 38(n.esp):52-68. http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.2014S005

Vieira-da-Silva LM. Avaliação de políticas e programas de saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2014. https://doi.org/10.7476/9788575415467

Van EV, Altman DG, Egger M, Pocock SJ, Gotzsche PC, Vandenbroucke JP. The Strengthening the Reporting of Observational Studies in Epidemiology (STROBE) statement: guidelines for reporting observational studies. Lancet. 2007; 370(9596): 1453-7. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(07)61602-X

Sousa MC, Esperidião MA, Medina MG. Intersectorality in the ‘Health in Schools’ Program: an evaluation of the political-management process and working practices. Ciênc Saúde Coletiva. 2017; 22(6): 1781-90. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017226.24262016

Farias ICV, Sá RMPF, Figueiredo N, Menezes Filho A. Análise da Intersetorialidade no Programa Saúde na Escola. Rev Bras Educ Méd. 2016; 40(2): 261-7. https://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v40n2e02642014

Paixão GP, Santos NJ, Matos L, Santos CK, Nascimento DE, Bittencourt I, et al. Violência escolar: percepções de adolescentes. Rev Cuid. 2014; 5(2): 717-22. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v5i2.83

Lima L, Pires DEP, Forte ECN, Medeiros F. Job satisfaction and dissatisfaction of primary health care professionals. Esc Anna Nery. 2014; 18(1): 17-24. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140003

Speroni K, Fruet IM, Dalmolin G, Lima SB. Percepções dos agentes comunitários de saúde: contribuições para a gestão em saúde. Rev Cuid. 2016; 7(2): 1325-37. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v7i2.338

Tambasco LP, Silva HS, Pinheiro KMK, Gutierrez BAO. Satisfaction in the work of the multidisciplinary team which operates in Primary Health Care. Saúde Debate. 2017; 41(n.spe2): 140-51. http://dx.doi.org/10.1590/0103-11042017s212

Snelling A, Belson SI, Watts E, Malloy E, Van Dyke H, George S, et al. Measuring the Implementation of a School Wellness Policy. J Sch Health. 2017; 87: 760-8. http://dx.doi.org/10.1111/josh.12548

Safdie M, Cargo M, Richard L, Lévesque L. An ecological and theoretical deconstruction of a school-based obesity prevention program in Mexico. Int J Behav Nutr Phys Act. 2014; 11:103. https://doi.org/10.1186/s12966-014-0103-2

Lubans DR, Smith JJ, Plotnikoff RC, Dally KA, Okely AD, Salmon J, et al. Assessing the sustained impact of a school-based obesity prevention program for adolescent boys: the ATLAS cluster randomized controlled trial. Int J Behav Nutr Phys Act. 2016; 13:92. https://doi.org/10.1186/s12966-016-0420-8

Penso MA, Brasil KCTR, Arrais AR, Lordello SR. A relação entre saúde e escola: percepções dos profissionais que trabalham com adolescentes na atenção primária à saúde no Distrito Federal. Saude Soc. 2013; 22(2): 542-53. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902013000200023

Machado MFAS, Gubert FA, Meyer APGFV, Sampaio YPCC, Dias MSA, Almeida AMB, et al. The health school programme: a health promotion strategy in primary care in Brazil. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2015; 25(3): 307-12. https://dx.doi.org/10.7322/jhgd.96709

Sánchez RT, Molina EM, Gómez-Ortega OR. Intervenciones de enfermería para disminuir la sobrecarga en cuidadores: un estudio piloto. Rev Cuid. 2016; 7(1): 1171-84. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v7i1.251

Soratto J, Pires DEP, Trindade LL, Oliveira JSA, Forte ECN, Melo TP. Job dissatisfaction among health professionals working in the family health strategy. Texto & Contexto Enferm. 2017; 26(3): e2500016. http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072017002500016

Santiago LM, Rodrigues MTP, Oliveira Junior AD, Moreira TMM. Implantação do Programa Saúde na escola em Fortaleza-CE: atuação de equipe da Estratégia Saúde da Família. Rev Bras Enferm. 2012; 65(6): 1026-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672012000600020


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2018 Revista Cuidarte

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.