Imagen de portada

Perfil sociodemográfico e epidemiológico de uma comunidade quilombola na Amazônia Brasileira

Igor Almeida de Freitas, Ivaneide Leal Ataide Rodrigues, Ingrid Fabiane Santos da Silva, Laura Maria Vidal Nogueira

Resumen


Introdução: As comunidades quilombolas são definidas pela particularidade quanto à trajetória histórica e a presunção de ancestralidade negra ligada à resistência, à violência, perseguição e dominação histórica sofrida. O objetivo deste estudo foi traçar o perfil sociodemográfico e epidemiológico de uma comunidade quilombola e identificar aspectos socioeconômicos capazes de repercutir na sua condição de saúde. Materiais e Métodos: Estudo transversal realizado em comunidade quilombola situada na área metropolitana de Belém, Pará, Brasil. Amostra composta por 130 adultos que responderam a questionário com 45 perguntas fechadas, referentes a aspectos socioeconômicos, culturais, saúde, alimentação e estilo de vida. Resultados: Predominou o sexo feminino, baixa escolaridade e renda familiar de até 1 salário mínimo. Residências em alvenaria, mas sem saneamento básico na comunidade levando a hábitos prejudiciais à saúde, quanto ao uso da água e destino dos dejetos. Predominam uso de fumo, álcool e sedentarismo, associado aos hábitos alimentares pouco saudáveis. Discussão: Os dados sobre a saúde, alimentação, cultura e estilo de vida mostraram-se importantes no processo saúde e doença das famílias quilombolas. Conclusões: Caracterizou-se a comunidade quilombola quanto à condição sociodemográfica e epidemiológica, identificando aspectos socioeconômicos que repercutem na sua condição de saúde. Salienta-se que os problemas identificados podem contribuir para que ações de saúde sejam planejadas e efetivadas conforme a realidade, considerando-se o contexto social, político e ambiental da comunidade, valorizando seus saberes e práticas tradicionais.

Como citar este artigo: Freitas IA, Rodrigues ILA, Silva IFS, Nogueira LMV. Perfil sociodemográfico e epidemiológico de uma comunidade quilombola na Amazônia Brasileira. Rev Cuid. 2018; 9(2): 2187-200. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.521


Palabras clave


Grupo com Ancestrais do Continente Africano; Populações Vulneráveis; Perfil de Saúde.

Referencias


Vieira ABD, Monteiro PS. Comunidade quilombola: análise do problema persistente do acesso à saúde, sob o enfoque da bioética de intervenção. Saúde em Debate. 2013; 37(99): 610-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042013000400008

Oliveira SKM, Pereira MM, Guimarães ALS, Caldeira AP. Self-perceived health among ‘quilombolas’ in northern Minas Gerais, Brazil. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(9): 2879-90. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015209.20342014

Ministério da Saúde, Brasil. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa; Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde. 2013 [citado 2017 maio. 18]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_populacoes_campo.pdf

Brasil. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial; Secretaria de Políticas Para Comunidades Tradicionais. Guia de políticas públicas para comunidades quilombolas [Internet]. Brasília. 2013 [citado 2017 maio. 18]. Disponível em: http://www.seppir.gov.br/portal-antigo/arquivos-pdf/guia-pbq

Pinho L, Dias RL, Cruz LM, Velloso NA. Health conditions of quilombola community in the north of Minas Gerais. J. res.: fundam. care. Online. 2015; 7(1): 1847-55. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2015.v7i1.1847-1855

Bezerra VM, Andrade ACS, César CC, Caiaffa WT. Comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil: hipertensão arterial e fatores associados. Cad. Saúde Pública. 2013; 29(9): 1889-902. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00164912

Von Elm E, Altman DG, Egger M, Pocock SJ, Gøtzsche PC, Vandenbroucke JP. Strengthening the reporting of observational studies in epidemiology (STROBE) statement: guidelines for reporting observational studies. Lancet. 2007; 370: 1453-57. http://dx.doi.org/:10.1016/S0140-6736(07)61602-X

Rocha IR, Carmo MS. Perfil epidemiológico de ribeirinhos da Ilha do Combú: um reflexo da saúde nas águas. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Belém: Universidade do Estado do Pará; 2014.

Gomes KO, Reis EA, Guimarães MDC, Cherchiglia ML. Utilização de serviços de saúde por população quilombola do Sudoeste da Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2013; 29(9): 1829-42. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00151412

Bezerra VM, Andrade ACS, César CC, Caiaffa WT. Domínios de atividade física em comunidades quilombolas do sudoeste da Bahia, Brasil: estudo de base populacional. Cad. Saúde Pública. 2015; 31(6): 1213-24. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00056414

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios. Resultados do universo. Rio de Janeiro, 2011.

Santos RC, Silva MS. Condições de vida e itinerários terapêuticos de quilombolas de Goiás. Saúde Soc. 2014; 23(3): 1049-63. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000300025

Bezerra VM, Medeiros DS, Gomes KO, Souzas R, Giatti L, Steffens AP, et al. Inquérito de saúde em comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil (Projeto COMQUISTA): aspectos metodológicos e análise descritiva. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(6): 1835-47. https://doi.org/10.1590/1413-81232014196.01992013

Ferreira FS, Queiroz TM, Silva TV, Andrade ACO. À margem do rio e da sociedade: a qualidade da água em uma comunidade quilombola no estado de Mato Grosso. Saúde Soc. 2017; 26(3): 822-8. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902017166542

Amorim MM, Tomazi L, Silva RAA, Gestinari RS, Figueiredo TB. Avaliação das condições habitacionais e de saúde da comunidade quilombola Boqueirão, Bahia, Brasil. Biosci. J. 2013; 29(4): 1049-57.

Campos CMS, Silva BRB, Forlin DC, Trapé CA, Lopes IO. Emancipatory practices of nurses in primary health care: the home visit as an instrument of health needs assessment. Rev Esc Enferm USP. 2014; 48(Esp): 116-21. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420140000600017

Pereira LL, Silva HP, Santos LMP. Projeto mais médicos para o Brasil: estudo de caso em comunidades quilombolas. Revista da ABPN. 2015; 7(16): 28-51.

Medeiros DS, Moura CS, Guimarães MDC, Acurcio FA. Medication use by the “quilombola” population: a survey in Southwestern Bahia, Brazil. Rev Saúde Pública. 2013; 47(5): 905-13. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004817

Melo MFT, Silva HP. Doenças crônicas e os determinantes da saúde em comunidades quilombolas do Pará, Amazônia, Brasil. Revista da ABPN. 2015; 7(16): 168-89.

Barroso SM, Melo APS, Guimarães MDC. Depressão em comunidades quilombolas no Brasil: triagem e fatores associados. Rev Panam Salud Publica. 2014; 35(4): 256-63.

Pereira MGS, Ferreira MC. Uso e diversidade de plantas medicinais em uma comunidade quilombola na Amazônia Oriental, Abaetetuba, Pará. Biota Amazônia. 2017; 7(3): 57-68. http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v7n3p57-68

Ferreira ALS, Batista CAS, Pasa MC. Uso de plantas medicinais na comunidade quilombola mata cavalo em nossa senhora do livramento – MT, Brasil. Biodiversidade. 2015; 14(1): 151-60.

Costa IE, Oliveira LL. O uso de plantas medicinais na comunidade quilombola de Paratibe: um relato de experiência na E.M.E.F. Antônia do Socorro Silva Machado, João Pessoa – PB. Revista Humanidades e Inovação. 2017; 4(3): 288-96.

Soares DA, Barreto SM. Indicadores nutricionais combinados e fatores associados em população Quilombola no Sudoeste da Bahia, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2015; 20(3): 821-32. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015203.03922014

Damazio SM, Lima MS, Soares AR, Souza MAA. Intestinal parasites in a quilombola community of the northern state of Espírito Santo, Brazil. Rev. Inst. Med. Trop. 2013; 55(3): 179-83. http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46652013000300007

Cardoso LGV, Melo APS, Cesar CC. Prevalência do consumo moderado e excessivo de álcool e fatores associados entre residentes de Comunidades Quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2015; 20(3): 809-20. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015203.12702014

Silva RA, Menezes JA. Reflexões sobre o uso de álcool entre jovens quilombolas. Psicologia & Sociedade. 2016; 28(1): 84-93. http://dx.doi.org/10.1590/1807-03102015v28n1p084

Mussi RFF, Mussi LMPT, Bahia CSA, Amorim AM. Atividades físicas praticadas no tempo livre em comunidade quilombola do alto sertão baiano. Licere. 2015; 18(1): 157-87.

Annes LM, Mendonça HG, Lima FM, Lima MA, Aquino JM. Perfil sociodemográfico e de saúde de idosas que participam de grupos de terceira idade em Recife, Pernambuco. Rev Cuid. 2017; 8(1): 1499-508. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i1.365


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2018 Revista Cuidarte

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.