Imagen de portada

Riscos ocupacionais em profissionais de enfermagem de centros de material e esterilização

Maria das Dores Pereira de Lima, Bárbara Jeane Pinto Chaves, Valdinez da Silva Lima, Paulo Emanuel Santos, Nádia Shirley Correia Sobral Soares, Iolanda Beserra da Costa Santos

Resumen


Introdução: Identificar os riscos ocupacionais em profissionais de Enfermagem de Centros de Materiais e Esterilização (CME). Materiais e Métodos: Estudo exploratório, quantitativo, realizado com 77 dos profissionais de Enfermagem de CME de dois hospitais públicos, no período de novembro a dezembro de 2015. Utilizou-se um formulário semiestruturado para caracterizar a amostra, seguido por outro alusivo aos riscos à saúde, utilizado pelo Instituto Sindical Europeu (ETUI) validado e divulgado pela instituição. Os dados foram analisados por meio do software Windows “Excel” e os resultados apresentados em gráficos. Em todo o percurso, respeitou-se a Resolução 466/12 após aprovação do CEP sob CAEE nº 50772015.6.0000.5183. Resultados: Quanto aos riscos ergonômicos constatados, foram prevalentes as posturas forçadas na realização de atividades 64 (90%); quanto aos físicos, ruídos muito fortes ou perturbadores da execução do trabalho 66 (93%) e temperatura inapropriada 60 (85%); nos riscos químicos evidenciaram-se gases e aerossóis 46 (65%) e, entre os riscos biológicos, 67 (95%) relataram vulnerabilidade a infecção. Discussão e Conclusões: É possível concluir que os riscos ocupacionais estão presentes nos Centros de Materiais e Esterilização dos dois hospitais e, sinalizaram a necessidade de conscientização dos profissionais de Enfermagem acerca dos perigos existentes, com vistas à segurança e saúde do trabalhador no serviço.

Como citar este artigo: Lima MDP, Chaves BJP, Lima VS, Santos PE, Soares NSCS, Santos IBC. Riscos ocupacionais em profissionais de enfermagem de centros de material e esterilização. Rev Cuid. 2018; 9(3): 1-8. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i3.544


Palabras clave


Saúde do Trabalhador; Enfermagem; Ergonomia.

Referencias


Espindola MCG, Fontana RT. Riscos ocupacionais e mecanismos de autocuidado do trabalhador de um centro de material e esterilização. Rev Gaúcha Enferm. 2012; 33(1):116-23. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472012000100016

Sousa AFL, Queiroz AAFLN, Oliveira LB, Moura MEB, Batista OMA, Andrade D. Representações sociais da Enfermagem sobre biossegurança: saúde ocupacional e o cuidar prevencionista. Rev Bras Enferm. 2016; 69(5): 864-71. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2015-0114

Ministério do Trabalho e Emprego (BR). Normas Regulamentadora de Segurança e Saúde no Trabalho: Ministério da Saúde; 2008.

Ministério da Saúde (BR) Conselho Nacional de Saúde. Resolução 466 de 2012. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Resolução 311 de 08 de janeiro de 2007 (BR). Aprova e reformulação do código de ética dos enfermeiros. Diário Oficial da União. Brasília; 2007.

Loro MM, Zeitoune RCG. Estratégia coletiva de enfrentamento dos riscos ocupacionais de uma equipe de enfermagem. Rev esc enferm USP. 2017; 15 (51): 03205. http://dx.doi.org/10.1590/s1980-220x2015027403205

Bruna CQM, Graziano KU. Temperatura e umidade no armazenamento de materiais autoclavados: revisão integrativa. Rev esc enferm USP. 2012; 46(5): 1215-20. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000500025

Massuda KC, Muzili NA, Lima DF, Taciro C, Oliveira Júnior SA, Martinez PF. Ocorrência de lombalgia segundo o nível de atividade física em trabalhadores hospitalares. Revista Dor. 2017; 18(1): 8-11. http://dx.doi.org/10.5935/1806-0013.20170003

Lima SJL, Santos CF, Ferreira SR, Lyra SJ, Souza OR. O ruído causando danos e estresse: possibilidade de atuação para a enfermagem do trabalho. Av Enferm. 2014; 32(1): 124-38. http://dx.doi.org/10.15446/av.enferm.v32n1.46074

Rodrigues PS, Sousa AFL, Magro MCS, Andrade D, Hermann PRS. Acidente ocupacional entre profissionais de enfermagem atuantes em setores críticos de um pronto-socorro. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2017; 21(2): 20170040. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20170040

Arenas-Sanches A, Pinzón-Amado A. Riesgo biológico en el personal de enfermería: una revisión práctica. Rev Cuid. 2011; 2(1): 216-24.https://doi.org/10.15649/cuidarte.v2i1.60

Mendonça AEO, Oliveira AVT, Neto VLS, Silva RAR. Perfil de accidentes de trabajo que involucran a profesionales de enfermería en el ámbito de cuidados intensivos. Enferm Glob. 2015; 14(39): 193-201. http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.14.3.201861

Meléndez C, Garza R, González JF, Castillo S, González S, Ruiz E. Percepción del personal de enfermería hacia la cultura de seguridad en un hospital pediátrico en México. Rev Cuid. 2014; 5(2):774-81. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v5i2.92


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2018 Revista Cuidarte

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.