Imagen de portada

Sentimentos de mães na unidade canguru e as estratégias de suporte dos profissionais de enfermagem

Isabela Maria Magalhães Sales, José Diego Marques Santos, Silvana Santiago da Rocha, Augusto Cezar Antunes de Araújo Filho, Nalma Alexandra Rocha de Carvalho

Resumen


Introdução: Em meio à vivência das mães em unidades que adotam o Método Canguru, a equipe de enfermagem tem presença constante e pode desempenhar um grande papel no alívio da tensão e dos sentimentos negativos oriundos da internação do recém-nascido. Objetivo: Compreender sentimentos das mães percebidos pelos profissionais de enfermagem de uma Unidade de Cuidados Intermediários Canguru, e conhecer as estratégias utilizadas por esses profissionais como medidas de suporte à mãe. Materiais e Métodos: Pesquisa qualitativa, realizada em uma Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru. A coleta ocorreu de abril a julho de 2016 e foi realizada por meio de entrevistas. Os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo. Resultados: Foi possível vislumbrar duas categorias: “Sentimentos das mães percebidos pelos profissionais de enfermagem de uma unidade de método canguru” e “Estratégias utilizadas pelos profissionais de enfermagem como medida de suporte à mãe”. Discussão: Os sentimentos de ansiedade, insegurança e saudade manifestados pelas mães devem ser uma preocupação dos profissionais de enfermagem que devem intervir com medidas de suporte.  Conclusões: Os participantes perceberam que as mães podem se sentir ansiosas pela alta, inseguras em relação aos cuidados com o bebê, e com saudades das suas outras responsabilidades fora do hospital.  Dentre as estratégias utilizadas por esses profissionais como medidas de suporte à mãe, foram mencionados o acolhimento, as orientações, o trabalho em equipe e a empatia.

Como citar este artigo: Sales IMM, Santos JDM, Rocha SS, Filho ACAA, Carvalho NAR. Sentimentos de mães na unidade canguru e as estratégias de suporte dos profissionais de enfermagem. Rev Cuid. 2018; 9(3): 1-10. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i3.545


Palabras clave


Método Canguru; Recém-Nascido; Hospitalização; Equipe de Enfermagem; Enfermagem Neonatal.

Referencias


Lanksi S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt DAS, Carvalho ML, et al. Birth in Brazil survey: neonatal mortality profile, and maternal and child care. Cad Saúde Pública. 2014; 30(11): 1-15. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00133213

Araujo Filho ACA, Sales IMM, Araújo AKL, Almeida PD, Rocha SS. Aspectos epidemiológicos da mortalidade neonatal em capital do nordeste do Brasil. Rev Cuid. 2017; 8(3): 1767-76. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.417

Toso BRGO, Vieira CS, Valter JM, Delatore S, Barreto GMS. Validation of newborn positioning protocol in Intensive Care Unit. Rev Bras Enferm. 2015; 68(6): 835-41. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680621i

Ministério da Saúde (BR). Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru - Caderno do Tutor. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Campbell-Yeo ML, Disher TC, Benoit BL, Johnston CC. Understanding kangaroo care and its benefits to preterm infants. Pediatric Health Med Ther. 2015; 6: 15-32. https://doi.org/10.2147/PHMT.S51869

Costa R, Heck GMM, Lucca HC, Santos SV. Da incubadora para o colinho: o discurso materno sobre a vivência no método canguru. Rev Enferm Atenção Saúde. 2014; 3(2): 41-53.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Loyola; 2010.

Chernicharo IM, Silva FD, Ferreia MA. Description of the term humanization in care by nursing professionals. Esc Anna Nery. 2014; 18(1): 156-62. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140023

Ferro SMFS, Nogueira MAA, Miranda LN. Assistência de enfermagem ao recém-nascido na terceira etapa do método canguru: uma revisão integrativa. Cadernos de Graduação. 2017; 4(2): 349-58.

Chagas MA, Almeida NMS, Costa MML, Bastos LP. Percepção das mães acerca da vivência do método canguru. C&D-Revista Eletrônica da FAINOR. 2017; 10(3): 424-35. https://doi.org/10.11602/1984-4271.2017.10.3.12

Lim JH, Shin JE, Lee SM, Eun HS, Park MS, Park KI, et al. Efficacy and safety of kangaroo mother care in preterm infants in Korea. Korean J Perinatol. 2015; 26(4): 305-11. https://doi.org/10.14734/kjp.2015.26.4.305

Chan GJ, Labar AS, Wall S, Atun R. Kangaroo mother care: a systematic review of barriers and enablers. Bull World Health Organ. 2016; 94: 130-41. http://dx.doi.org/10.2471/BLT.15.157818

Santos DB, Fialho FA, Dias IMAV, Salvador M, Pacheco ZML, Almeida MJGG et al. Reflexiones sobre los sentimientos y las percepciones de las madres de recién nacidos con bajo peso. Rev Cuid. 2011; 2(1): 168-74. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v2i1.53

Arnon S, Diamant C, Bauer S, Regev R, Sirota G, Litmanovitz I. Maternal singing during kangaroo care led to autonomic stability in preterm infants and reduced maternal anxiety. Acta Paediatr. 2014; 103(10): 1039-44. https://doi.org/10.1111/apa.12744

Perrone RAP, Oliveira VMB. O nascimento prematuro. Journal of Child and Adolescent Psychology. 2017; 8(1): 140-54.

Ministério da Saúde (BR). Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Heck GMM, Lucca HC, Costa R, Junges CF, Santos SV, Borck M. Compreensão do sentimento materno na vivência no método canguru. Rev Enferm UFSM. 2016; 6(1): 71-83. http://dx.doi.org/10.5902/2179769218083

Marques CRG, Neris ILF, Carvalho MVA, Ferrari YAC. Metodologia canguru: benefícios para o recém-nascido pré-termo. Cadernos de Graduação. 2016; 3(3): 65-78.

Bernardo FR, Zucco LP. A centralidade do feminino no método canguru. Sex, Salud Soc. 20; (21): 154-74. http://dx.doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2015.21.09.a

Stelmak AP, Freire MHS. Share applicability recommended by kangaroo method. Rev Fund Care Online. 2017; 9(3): 795-802. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i3.795-802

Ferreira JHP, Amaral JJF, Lopes MMCO. Nursing team and promotion of humanized care in a neonatal unit. Rev Rene. 2016; 17(6): 741-9. https://doi.org/10.15253/2175-6783.2016000600003

Salazar SA, Riaño NEA, Sanabria MLV. Estrategia educativa para el cuidado domiciliario de los bebes prematuros: madres usuarias del programa madre canguro de Tunja, Colombia. Rev Cuid. 2013; 4(1): 467-74. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v4i1.6

Balbino FS, Meschini GFG, Balieiro MMFG, Mandetta MA. Percepção do cuidado centrado na família em unidade neonatal. Rev Enferm UFSM. 2016; 6(1): 84-92. http://dx.doi.org/10.5902/2179769216340

Fialho FA, Dias IMAV, Santos RS, Silva LR, Salvador M. Humanization permeating newborn nursing care. J Nurs UFPE on line. 2016; 10(7): 2412-9. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v10i7a11297p2412-2419-2016

Mikkonen K, Kyngäs H, Kääriäinen M. Nursing students' experiences of the empathy of their teachers: a qualitative study. Adv Health Sci Educ Theory Pract. 2015; 20(3): 669-82. https://doi.org/10.1007/s10459-014-9554-0


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2018 Revista Cuidarte

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.