Imagen de portada

Obesidade Infantil: análises antropométricas, bioquímicas, alimentares e estilo de vida

Ana Carolina Teixeira Paiva, Crislaine Campagnoli do Couto, Adriano Pinheiro de Lemos Masson, Cristiane Aparecida Silveira Monteiro, Cristiane Fonseca Freitas

Resumen


Introdução: Hábitos alimentares inadequados na infância predispõem ao surgimento de doenças metabólicas na fase adulta, objetivando a identificar alterações de IMC em escolares no município de Poços de Caldas-MG-BR, com idades entre 6 a 12 anos, avaliar análises bioquímicas, dados antropométricos e padrão alimentar. Material e Métodos: Estudo quantitativo de campo, desenvolvido em três escolas, uma de ensino público e duas de ensino privado, no período de 2015 a 2016, com amostragem de 104 crianças. As variáveis de interesse foram dados antropométricos, amostragem sanguínea para exames laboratoriais e formulário de padrão alimentar. Resultados: A idade média da amostra foi 9,5±0,2, sendo 53,9% meninos e 46,2% meninas. Entre as prevalências encontradas, 51,0% das crianças tiveram algum tipo de alteração no IMC, sendo 29,2% de obesidade e 25,0% de sobrepeso na escola particular frente a 6,3% obesidade e 15,6% sobrepeso na escola pública. Observou que 60,6% apresentam alteração para glicemia em jejum (113,1±1,4 mg/dl). Colesterol 51,9% de alteração (196,0±2,9 mg/dl), HDL 43,3% mostram alterados (40,5±0,4 mg/dl), LDL percebe 19,2% das crianças apresentam aumento do valor normal (143,6±4,0 mg/dl) e TG 20,2% acima do valor recomendado (158,8±10,7 mg/dl). Foi possível observar ainda uma alta significantemente estatística na ingesta alimentar dando prioridade ao grupo de açúcares. Discussão: A amostra estudada apresenta alterações significativas para sobrepeso e obesidade, bem como para valores de porções alimentares, glicemia e dislipidemias. Conclusões: Mostra-se importante estudo na área a fim de mapear e melhorar o perfil nutricional para diminuir os riscos aos quais as crianças estão expostas.

Como citar este artigo: Paiva ACT, Couto CC, Masson APL, Monteiro CAS, Freitas CF. Obesidade Infantil: análises antropométricas, bioquímicas, alimentares e estilo de vida. Rev Cuid. 2018; 9(3): 1-13. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v9i3.575


Palabras clave


Obesidade Pediátrica; Índice de Massa Corporal; Transtornos da Nutrição Infantil; Nutrição da Criança; Ensaios Enzimáticos Clínicos.

Referencias


Reis P, Richter D. A influência da mídia na obesidade infantil brasileira: uma análise sob a ótica da proteção integral. Semin Int Demandas Sociais e Políticas Públicas na Soc Contemp. 2014; 1(11): 20.

Medeiros ER, Pinto ESG, Paiva ACS, Nascimento CPA, Rebouças DGC, Silva SYB. Facilidades e dificuldades na implantação do Programa Saúde na Escola em um município do nordeste do Brasil. Rev Cuid. 2018; 9(2): 2127-34. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.514

Maia CSC, Sette R de S. Consumo alimentar infantil em uma cidade do sul de Minas: uma proposta de inspiração antropológica. Organ Rurais Agroindustriais. 2015; 17(1): 87-100.

Paiva NMN, Costa JS. A influência da tecnologia na infância: desenvolvimento ou ameaça? Psicol Pt. 2015; 1-13.

Organização das Nações Unidas. Brasil assume compromisso de frear avanço da obesidade até 2019.

Madruga SW, Araújo CLP, Bertoldi AD, Neutzling MB. Tracking of dietary patterns from childhood to adolescence. Rev Saúde Pública. 2012; 46(2): 376-86. https://doi.org/10.1590/S0034-89102012005000016

Organização Pan-Americana da Saúde. Modelo de Perfil Nutricional da Organização Pan-Americana da Saúde. Washington: OPAS; 2016. 38 p.

Organização Pan-Americana da Saúde. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura. Panorama de la seguridad alimentaria y nutricional. Santiago: OPAS; 2016. 174 p.

Dornelles AD, Anton MC, Pizzinato A. O papel da sociedade e da família na assistência ao sobrepeso e à obesidade infantil: percepção de trabalhadores da saúde em diferentes níveis de atenção. Saúde E Soc. 2014; 23(4): 1275-87. https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000400013

Pérez LM, Mattiello R. Determinantes da composição corporal em crianças e adolescentes. Rev Cuid. 2018; 9(2): 2093-104. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v9i2.534

Corgozinho JNC, Ribeiro GC. Registros de Enfermagem e o enfoque na prevenção da obesidade infantil. Rev Enferm Cent-Oeste Min. 2013; 3(3): 863-72.

Monteiro FPM, Araujo TL, Ximenes LB, Vieira NFC. Ações de promoção da saúde realizadas por enfermeiros na avaliação do crescimento e desenvolvimento infantil. Cienc y Enferm. 2014; xx (1): 97-110. https://doi.org/10.4067/S0717-95532014000100009

Ribeiro AJP, Ferrasso SM, Ludwig CC, Altenhofen D, Viviani NA, Bencke T. Padrão alimentar de escolares de uma escola municipal de São Miguel do Oeste, Santa Catarina. Unoesc Ciênc – ACHS. 2015; Esp: 73-8.

Victorino SVZ, Soares LG, Marcon SS, Higarashi IH. Viver com obesidade infantil: a experiência de crianças inscritas em programa de acompanhamento multidisciplinar. Rev Rede Enferm Nordeste. 2014; 15(6): 980-9. http://dx.doi.org/10.15253/rev%20rene.v15i6.3295

Sociedade Brasileira de Pediatria. Manual de orientação departamento de nutrologia. 3ed. Rio de Janeiro: SBP; 2012. 152 p.

Ministério da Saúde. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN. Brasilia: Editora MS; 2011. 76 p.

Malachias MVB, Souza W, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, et al. 7a Diretriz brasileira de hipertensão arterial. Arq Bras Cardiol. 2016; 107(3): 83.

Xavier HT, Izar MC, Neto F, R J, Assad MH, Rocha VZ, Sposito AC et al. V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose. Arq Bras Cardiol. 2013; 101(4): 20. https://doi.org/10.5935/abc.2013S010

Universidade Federal de São Paulo. Manual de coleta de material biológico. São Paulo: UNIFESP; 2015. 55 p.

Rosaneli CF, Baena CP, Auler F, Nakashima ATA, Netto-Oliveira ER, Oliveira AB, et al. Aumento da pressão arterial e obesidade na infância: uma avaliação transversal de 4.609 escolares. Arq Bras Cardiol. 2014; 1-7. https://doi.org/10.5935/abc.20140104

Rosaneli CF, Auler F, Manfrinato CB, Rosaneli CF, Sganzerla C, Bonatto MG, et al. Avaliação da prevalência e de determinantes nutricionais e sociais do excesso de peso em uma população de escolares: análise transversal em 5.037 crianças. Rev Assoc Médica Bras. 2012; 58(4): 472-6. https://doi.org/10.1590/S0104-42302012000400019

Ministério da Saúde (BR). Guia Alimentar da população brasileira [Internet]. 2 ed. Brasília: MS. 2014. 156 p. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira.pdf

Marques T, Moniz M, Cabral M, Nizarali Z, Coelho R, Monteiro AC, et al. Obesidade infantil: caraterização de uma população com seguimento hospitalar. Acta Pediátrica Port. 2013; 44(6): 295-300.

Ruiz E, Bañuelos Y, Bañuelos P, Álvarez A, Valles MM, Domínguez CJ. Porcentaje de grasa corporal en escolares y su asociación con el estilo de vida y macronutrientes. Rev Cuid. 2015; 6(2): 1022-8. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v6i2.150

Cunha JB, Chiarelli G, Vargas DM. Síndrome metabólica em crianças e adolescentes com excesso de peso assistidas em policlínica universitária de nível secundário. Rev AMRIGS. 2016; 60(3): 206-13.

Geremias LM, Evangelista LF, Silva RC, Furtado DS, Silveira-Monteiro CA, Freitas CF. Prevalência do diabetes mellitus associado ao estresse ocupacional em trabalhadores bancários, Minas Gerais, Brasil. Rev Cuid. 2017; 8(3): 1863-74. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v8i3.442


Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2018 Revista Cuidarte

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.